sexta-feira, 24 de abril de 2009

Recordar é viver - Flamengo 3, Botafogo 0

Rio de Janeiro, 13 de julho de 1992.

Amigos,

Ontem tivemos o primeiro jogo da final do Campeonato Brasileiro, num Maracanã com gente escorrendo pelas paredes. De um lado, a massa rubro-negra, a empurrar o Mais Querido. Do outro lado, os alvinegros estavam em minoria, mas dispostos a vencer ou perecer pelo Botafogo. Pela primeira vez, os dois tradicionais clubes da Zona Sul decidem o principal torneio nacional. Foi este fato que atraiu as multidões ao Estádio Mário Filho. Mais de cem mil pessoas lotaram as arquibancadas, gerais e cadeiras. O Maracanã viveu um de seus maiores dias ontem: o estádio estava lindo!

O Botafogo tem a melhor campanha, e por isso joga por dois empates. Sempre digo que a vantagem é um perigo, e o clássico de ontem foi exemplo disso. A vantagem empurra o time para a defesa, ao passo que a desvantagem do adversário o empurra para o ataque. As equipes em vantagem deveriam jogar como se ela não existisse, mas não o fazem. Os três gols rubro-negros, ainda no primeiro tempo, foram conseqüência direta da vantagem alvinegra. Júnior, o maestro que se despede dos gramados, abriu o marcador aos 15. Aos 34, o prata-da-casa Nélio ampliou: dois a zero. Nada segurava o ímpeto flamengo: quatro minutos depois, Gaúcho fez três a zero, de cabeça. Que primeiro tempo avassalador!

Sabemos que o flamenguista é um sujeito otimista por natureza. Porém, nem o rubro-negro mais sonhador poderia imaginar os 3 a 0 ainda no intervalo. Por outro lado, o botafoguense é tão pessimista que sempre vai ao Maracanã esperando a derrota. Mas nem mesmo o mais deprimido alvinegro poderia imaginar tamanho massacre em 45 minutos. A atmosfera do Maracanã era de muita expectativa para o segundo tempo. Aconteceria a reação histórica do Botafogo? Ocorreria uma goleada colossal do Flamengo? Ou o placar simplesmente se manteria?

O destino escolheu a terceira opção, isto é, a manutenção dos 3 a 0. Porém, isso não significa que o jogo foi chato na etapa complementar. O Botafogo lutou, amigos, o Botafogo foi todo ataque. Mas o dia doze simplesmente não era o dia do alvinegro. Tudo dava tão certo para o Flamengo! É impressionante: o clube da Gávea parece ser o escolhido da sorte durante as decisões. E, venhamos e convenhamos: é difícil lutar contra a sorte.

E quem é o personagem do domingo? Amigos, é um personagem escondido, que nada faz para aparecer, nada faz para ser notado, mas tem uma grande importância nos triunfos do Flamengo. Trata-se do técnico Carlinhos. Os jogadores se matam em campo, molhando a camisa com seu grosso suor. Mas não podemos nos esquecer de quem está por trás, dispondo: é Carlinhos. É ele o responsável pela tática e pela estratégia do Flamengo. Se o rubro-negro foi tão avassalador, ponham mais essa na conta do quieto treinador rubro-negro.

Há um detalhe que poucos reparam. Aliás, detalhe coisíssima nenhuma: é um fato tão importante que não pode ser chamado de detalhe. Amigos, Carlinhos é magro, mas é afável e humilde como os gordos. Eu diria que ele é magro de corpo, e gordo de alma. E eu credito toda a sua clarividência a essa alma obesa que ele possui. Para ser técnico do Flamengo, é preciso ter estrutura: os palpites vêm de todos os lados, e as ameaças são constantes. Quando Carlinhos assumiu, eu achava que ele não teria estrutura suficiente para agüentar, já que é magro tal qual a Olívia Palito. Porém, sua alma revelou-se gorda, revelou-se obesa. E, assim, ele pôde resistir às pressões do cargo.

A taça se decide no próximo domingo, e agora a vantagem é do Flamengo. Se o rubro-negro fingir que ela não existe, dificilmente o troféu escapa. Domingo que vem, o Maracanã proclamará o campeão brasileiro de 1992. Mal podemos esperar pela eterna finalíssima!

PC




(No dia 19/07/1992, Flamengo e Botafogo empatariam em 2 a 2, e o título do Flamengo se confirmaria. A nota triste fica por conta do acidente nas arquibancadas, que terminou com a morte de três torcedores.)

10 comentários:

  1. Bah... o Renato Gaúcho, numa entrevista ao Sportv, disse que dois jogadores do Botafogo tinham se vendido para o Flamengo. Esse jogo foi um dos mais sujos da história. Ele mostrou o que uma agremiação é capaz de fazer para ser campeão, além de evidenciar a alma corruptível do ser humano. Só lamento pelo futebol.

    ResponderExcluir
  2. Renato Gaúcho fala sobre as "coisas estranhas de 1992":

    http://video.globo.com/Videos/Player/Esportes/0,,GIM995753-7824-RENATO+GAUCHO+ABRE+O+JOGO+EM+ENTREVISTA+EXCLUSIVA,00.html

    ResponderExcluir
  3. Porra, se esse negócio for verdade, aí num sobra mais nada...quanto mais se varre mais sujeira aparece!!!

    Minoru, você ficou devendo uma foto aí de um Grêmio e Flamengo final de campeonato brasileiro...

    ResponderExcluir
  4. Sem querer botar lenha na fogueira, mas no lance do segundo gol o time do Botafogo me pareceu parado demais...

    ResponderExcluir
  5. Salve o Maestro e Salve o Violino!

    ResponderExcluir
  6. Não entendo por quê os jogadores sempre se saem com essa de fazer misterinho quando há um suposto escândalo.

    É essa final de 92, é a final da Copa de 98... boleiros, botem a boca no trombone!!!

    ResponderExcluir
  7. Nélio arregaçava no Super Nintendo!

    ResponderExcluir
  8. Qual é a graça de ganhar assim?

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.