domingo, 8 de novembro de 2009

Recordar é viver - Fluminense arrasa Palmeiras

Flávio, autor dos três gols

São Paulo, 7 de novembro de 1970.


O Campeonato Brasileiro se aproxima de sua reta final. O Palmeiras lidera o Grupo A, com 12 pontos. O Fluminense lidera o Grupo B, com 15 pontos. A equipe paulista possui a melhor defesa do certame, ao passo que o ataque tricolor é o mais positivo.


O duelo entre os dois melhores times do Brasil atraiu uma multidão ao Morumbi. A torcida tricolor se fez presente na Terra da Garoa, dando uma lição de como se deve torcer: palmas, pó-de-arroz e bandeiras.


Antes da peleja, a imprensa via "dois times de ótimas defesas e ataques razoáveis". A Placar apontava o Palmeiras como favorito, e argumentava: "No gol está a diferença, pesando mais a favor do Palmeiras: o firme
Leão de um lado; o irregular Félix do outro". Leão acabaria nem jogando, e Félix, mais uma vez, calaria seus críticos.


Certa hora, o árbitro
Sebastião Rufino inventa um pênalti para o Palmeiras. César chuta, Félix pula à esquerda e defende. Era mesmo um dia perfeito para o Fluminense.


Aos 25 minutos, falta de
Baldocchi em Samarone. Flávio bate no ângulo: Fluminense 1 a 0.


Aos 37 minutos, tabela de Samarone e Flávio. Mais um gol de Flávio: Fluminense 2 a 0.


Aos 9 minutos do segundo tempo, Flávio tira a bola de
Nelson e empurra para as redes: Fluminense 3 a 0.


Estava decidido: o melhor time da Taça de Prata é mesmo o Fluminense.


Só uma pessoa poderia estragar o espetáculo bonito, de gols e bola correndo pelo chão: o juiz Sebastião Rufino. Ele quase conseguiu isso, quando expulsou Flávio, o artilheiro do jogo. Escrevi artilheiro do jogo, mas preciso ampliar: com os três tentos de hoje, Flávio chegou a onze, e agora é também o artilheiro do campeonato.


Félix defendeu pênalti, e Flávio fez três gols em pleno Morumbi. Houve, porém, uma atuação ainda melhor que a dos dois. Atacante e defensor, violento, craque e grosso,
Didi foi tudo isso para ser o melhor em campo. Ele estava sempre com a bola, no chão ou no ar.


Didi tinha que marcar
Ademir da Guia, o cérebro do Palmeiras. Alguns cometem um exagero até: dizem que Ademir é o próprio Palmeiras. A missão de Didi era complicadíssima, mas ele cumpriu seu papel com perfeição. Certa hora, Ademir tentou trocar seu posicionamento com Dudu. Não adiantou, pois lá estava Didi, implacável. Onde a bola estava, com ela estava Didi e seu futebol simples, comum, de luta e por tudo isso de gênio. Por causa de Didi, Samarone pôde jogar bem, Denílson pôde ficar sossegado e o Fluminense pôde mostrar o futebol que deve jogar um líder.


No Fluminense de
Paulo Amaral, não há um esquema rígido, há boa vontade e preparo físico (Parreira tem aí a sua parte de mérito), há improvisação e gosto pelo futebol. E há também - e principalmente -, luta, muita luta, coisa que infelizmente já não se encontra em muitos clubes.


Didi é, portanto, o personagem do sábado. Ele parou Ademir da Guia, e aí o Palmeiras também parou. Para premiar tudo, houve Flávio e os seus três gols. Foi o suficiente para nossa mais bela vitória em 1970.


Ficha técnica: Palmeiras 0 x 3 Fluminense.

Primeira fase do Campeonato Brasileiro de 1970.

Data: 07/11/1970.

Local: Morumbi (São Paulo).

Árbitro: Sebastião Rufino.

Palmeiras: Neuri; Eurico, Baldocchi, Nelson e Dé; Dudu e Ademir; Edu, Hector Silva (Fedato), César e Pio (Kraus). Técnico: Rubens Minelli.

Fluminense: Félix; Oliveira, Galhardo, Assis e Marco Antônio; Denílson e Didi (Silveira); Cafuringa, Flávio, Samarone (Mickey) e Lula. Técnico: Paulo Amaral.

Público: 22.096 pagantes.

Renda: Cr$ 147.845,00.

Gols: Flávio, aos 25'/1T, aos 37'/1T, e aos 9'/2T.

Expulsões: Flávio, aos 13'/2T, e Kraus, aos 19'/2T.


Agradecimentos ao Luizinho, do Flumemória.

Minhas fontes de pesquisa:
- Revista Placar, números 34 (06/11/1970) e 35 (13/11/1970).
- Livro "Taça de Prata de 1970", de Roberto Sander (Maquinária Editora).

6 comentários:

  1. Comentário no site do Pavilhão Tricolor:

    1 Domingo, 08 Novembro 2009 10:39 Lucas Porto

    Que Rafael seja Félix, que nosso meio de campo se inspire em Didi, que Fred seja Flávio.
    Que a história se repita!

    Ótimo texto, PC!

    ResponderExcluir
  2. Ótimo texto!!!
    Lucas Porto (o do comentário acima) foi o profeta!
    Rafael foi Félix, o meio foi Didi e Fred foi Flávio!!!
    Bom ler sobre grandes tempos do Tricolor!!!

    PS.: Leão é mesmo um recalcado. Estava nesse time do Palmeiras. Esse deve ser um dos motivos de tanto ódio pelo Fluminense.

    ResponderExcluir
  3. 2 Domingo, 08 Novembro 2009 23:10 Ivo

    Parabéns PC pelo resgate deste momento, um dos maiores da História recente do Fluminense e, que, estava esquecido.Uma vitória fora de casa e por um placar elástico. Vale a pena recordar a figura de Flávio um dos maiores centro-avantes da História do Fluminense. Segundo Nelson Rodrigues Flávio teria conseguido fazer a torcida tricolor esquecer Waldo. Li que Flávio teve uma média de gols superior a de Waldo, fato que o levaria a ser o maior artilheiro da nossa história. Sua venda foi um fato negro na nossa História, rezam os boatos que o motivo teria sido o seu envolvimento com a filha de um conselheiro- ao que consta o relacionamento não teria sido forçado, mas ao contrário a moça o adorava. Depois da sua venda várias vezes Flávio manifestou sua vontade em retornar ao Fluminense. Fato que teria sido muito importante para o clube.Infelizmente essa volta não ocorreu, mas sua passagem foi decisiva para os 3 títulos (69-70 e 71). Hoje Fred é Flávio, aliás os dois começam com F, de Fluminense.

    ResponderExcluir
  4. 3 Terça, 10 Novembro 2009 19:40 Paulo Cezar da Costa Martins Filho

    Lucas e Ivo, obrigado pelos comentários.

    Lucas foi profético: Rafael foi Félix, nosso meio de campo foi Didi, e Fred foi Flávio.

    Ivo, Flávio é realmente um dos grandes nomes de nossa história. Por exemplo, o histórico Fla-Flu de 1969, decidido por ele, foi um título espetacular do Fluminense. Já que você citou Nelson Rodrigues, segundo ele Flávio "era o ponta-de-lança mais esperado que um Moisés".

    Abraços,
    PC

    ResponderExcluir
  5. Excelente resenha! E o Flu de Flávio e Samarone não temia ninguém. Gostei muito do blogue!

    ResponderExcluir
  6. Mayrant, obrigado pelo elogio!

    Volte sempre ao blog!

    Abraços,
    PC

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.