segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

Jogos Bizarros I - Friburguense 9 x 0 Seleção da Nicarágua


Amigos, nós, os torcedores e amantes do "violento esporte bretão", estamos acostumados a assistir aos grandes duelos do futebol brasileiro e mundial. Adoramos apreciar e saborear um emocionante Fla-Flu, um aguerrido Grenal, um Barcelona x Real Madrid cheio de craques, um Brasil x Argentina recheado de rivalidade.

Entretanto, o futebol não é feito apenas de clássicos e de multidões. Há também o "lado B", os confrontos menos badalados, que não passam na televisão, que não atraem tantos olhares. Durante a minha adolescência, eu frequentava o Estádio Eduardo Guinle, em minha cidade-natal Nova Friburgo, para assistir aos jogos do Friburguense. Vibrava com os duelos do Frizão pelo Campeonato Carioca contra os grandes da capital, mas também contra o America, o Bangu, o Madureira, o Olaria e os outros "clubes de menor investimento". Ali, aprendi muito sobre futebol, e aprendi a amar esse esporte.

Para além destes confrontos menos badalados, há também os "jogos bizarros": por exemplo, os duelos de clubes pequenos do Brasil contra seleções nacionais pouco conhecidas (ou até as famosas, por que não?). Vocês sabiam que a Ferroviária de Araraquara fez uma longa excursão à América Central em 1968, e lá enfrentou quatro seleções nacionais? Ou que o modesto Atlético Sorocaba viajou até Pyongyang para jogar contra a seleção da Coreia do Norte, em um estádio lotado, em 2009?

Para relembrar esses e outros duelos "exóticos" e "alternativos" do futebol, resolvi começar uma série aqui no blog, contando detalhes desses jogos bizarros. Começo com a histórica goleada do Friburguense sobre a seleção da Nicarágua, em amistoso realizado no dia 8 de janeiro de 2008, no Eduardo Guinle. Em preparação para o Campeonato Carioca daquela temporada, o Tricolor da Serra não mostrou piedade alguma, e massacrou a seleção do pequeno país da América Central: 9 a 0. Foram quatro gols no primeiro tempo, e mais cinco na etapa complementar.

Naquela manhã, o Friburguense, sob o comando técnico de Cleimar Rocha, jogou no esquema tático 3-5-2, com: Adriano; Sérgio Gomes, Cadão e Tiago Messias; Everton, Bidu, Cassiano, Guido e Victor Hugo; Alex e Hércules. A escalação da seleção nacional da Nicarágua, treinada por Mauricio Cruz Jirón, não foi publicada em lugar algum (estão querendo demais também, né?).

Estádio Eduardo Guinle, em Nova Friburgo, o palco da goleada histórica.

O Friburguense já surpreendeu algumas vezes os clubes grandes da capital (como na histórica vitória de 1999 sobre o Botafogo no Maracanã, por 1 a 0, gol de Nevada). Entretanto, o Tricolor da Serra passa longe de ser uma potência do esporte: disputou apenas uma vez a primeira divisão do Campeonato Brasileiro, no ano 2000, quando houve mais de 100 participantes - e o Frizão terminou em 80º lugar. Não é à toa que a seleção da Nicarágua nunca conseguiu se classificar para uma Copa do Mundo...

O feito do Frizão, evidentemente, foi noticiado lá na Nicarágua. O jornal La Prensa, da capital Manágua, publicou, no dia seguinte à goleada: "A la Selección Nacional de fútbol le fue terrible en su partido de fogueo ante el Atlético Friburguense. La mañana de ayer, la tropa nica perdió 9-0 ante el Atlético, uno de los clubes más fuertes de Rio de Janeiro".

No Campeonato Carioca daquele ano, o Frizão não conseguiria provar que era "um dos clubes mais fortes do Rio de Janeiro". Conquistou apenas 17 pontos em 15 jogos, com a irregular campanha de 5 vitórias, 2 empates e 8 derrotas, 17 gols-pró e 26 gols-contra, terminando a competição em 11º lugar dentre os 16 participantes - posição que não lhe garantiu nem mesmo uma vaga na Série C do Campeonato Brasileiro daquela temporada.

Apesar do massacre sofrido naquela manhã, parece que a seleção da Nicarágua gostou dos ares serranos de Nova Friburgo. Um ano e meio após o fatídico 9 a 0, o escrete do país da América Central voltou ao Eduardo Guinle e enfrentou novamente o Friburguense, no dia 23 de junho de 2009. O placar da revanche é um mistério: eu não encontrei nenhuma notícia com o resultado do aguardado jogo... (se algum leitor conseguir a preciosa informação, peço que compartilhe nos comentários!)

Em breve, aqui no Jornalheiros, publicarei o post Jogos Bizarros II, dando sequência a esta série, com outro duelo raro do futebol. Sugestões são bem-vindas, como sempre.

PS: antes de encerrar o post, aviso aos leitores que Cadão, o Interminável, está participando normalmente da pré-temporada do Friburguense em 2016, e deverá disputar novamente o Campeonato Carioca, aos 44 anos de idade. O Frizão estreia na competição estadual no sábado 30, contra o Macaé, no Eduardo Guinle.

Cadão, zagueiro e ídolo do Frizão (Foto: Felipe Basílio).

PCFilho

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.