domingo, 16 de janeiro de 2011

Doze quilos, vinte gramas e um sonho



Ela mede 96 centímetros da base ao topo, que é coroado por um jogador preparando um chute na pequena pelota. Pesa exatamente 12 quilos e 20 gramas, e é composta basicamente de prata e madeira. A Copa Libertadores, glória máxima do futebol sul-americano, é uma obra assinada pelo ourives italiano Mario Camusso, em 1959. Restam poucas peças originais, mas a sua alma permanece inalterada.

O troféu já viajou bastante ao longo dos últimos cinquenta anos, arrastando junto com ele todas as maiores emoções que o futebol pode proporcionar. Em meio a tantas viagens e celebrações desmedidas, por vezes a taça se machucou, e acabou precisando de reparos.

A estrutura da taça é composta por duas partes essenciais: a base de madeira, onde são colocadas as placas douradas com os nomes e escudos dos clubes campeões; e a torre de prata que sustenta o globo superior e o jogador no topo. Neste globo, que representa o mundo, estão desenhados os escudos dos países sul-americanos, cuja liberdade é celebrada. Na linha equatorial do globo, estão a inscrição "Copa Libertadores" e as duas "orelhas", conjunto inconfundível.

No entanto, a obra não possui mais o desenho original do mestre Camusso. A primeira mudança se deu em 1981, quando a base de cor preta foi modificada por outra, de madeira de cor natural. Em 1991, logo após a conquista do Colo Colo/CHI, foram realizados retoques gerais na taça. Em 2003, houve nova mudança na base, que originalmente media 30 centímetros, e foi substituída por uma de 42 centímetros, porque o espaço para colocação de placas das equipes campeãs era insuficiente. Em 2004, na comemoração do título do Once Caldas/COL, o atacante Herly Alcázar deixou o troféu cair no gramado, e as perdas foram irreparáveis. O pequeno jogador no topo e as "orelhas" sumiram. Houve um esforço dos dirigentes colombianos para a recuperação das peças, inclusive com a oferta de uma recompensa. Um torcedor chegou a entrar em contato, dizendo estar com o pequeno jogador, mas se negou a devolvê-lo, apostando que no futuro poderá vendê-lo por um bom dinheiro.

Quatro meses depois do incidente na Colômbia, a Copa chegou a Santiago do Chile, onde seria reparada pela firma Alzaimagen, a pedido do presidente da Conmebol, o paraguaio Nicolás Leoz. O troféu estava com um novo boneco acima do globo, imediatamente reconhecido como falso, quando se fez o inventário para a reconstrução. O trabalho de restauração durou um mês, e foi realizado pelo artista Juan Pablo Rosel, que tinha o intuito de tentar reproduzir exatamente a escultura original. Foi tudo muito bem feito, à exceção de um detalhe, que lhe escapou: o pequeno jogador antes chutava com a perna direita, e agora é canhoto.

Por vezes, a taça foi adornada com enfeites. Em 1975, quando o Independiente/ARG conquistou a taça pela sexta vez, foram colocadas fitinhas nas "orelhas", de um lado com as cores do clube campeão, do outro com as cores do país. O costume continuou nos anos seguintes, em 1976 com o Cruzeiro, em 1977 e 1978 com o Boca Juniors/ARG, em 1979 com o Olimpia/PAR, em 1980 com o Nacional/URU e em 1981 com o Flamengo.

Durante seis meses, em 1990, a Copa Libertadores desapareceu, quando estava em posse do Olimpia/PAR. O presidente do clube, Osvaldo Domínguez Dibb, responsável pelo troféu, estava preocupado e não desconfiava de onde ele se encontrava: na casa de seu irmão Humberto, que o escondera em uma "brincadeira" familiar. (uma observação: em 2002, Osvaldo foi acusado pela Polícia Federal brasileira de ser responsável pelo contrabando de cigarros para o país; já Humberto é genro do ex-ditador paraguaio Alfredo Stroessner).

Venerada, beijada, cobiçada, tocada, exibida... doze quilos, vinte gramas e um sonho: esta é a Copa Libertadores. No dia 22 de junho de 2011, um certo capitão, coberto de glórias, a levantará ao imenso céu desta épica América de futebol.

PC

Atualização: em julho de 2012, nas comemorações do título do Corinthians, a taça novamente perdeu o pequeno jogador do topo, como mostra a foto abaixo. No dia 24 de julho, o clube mandou consertá-la em uma prataria da cidade de São Paulo.
À esquerda, a Copa Libertadores inteira (foto Folhapress, 2011).
À direita, a Copa Libertadores quebrada (foto EFE, 2012).

2 comentários:

  1. Quem sabe esse ano o glorioso capitão desse ano é o Fred...ou o Conca.

    ResponderExcluir
  2. O corinthians tb quebrou o boneco ano passado.

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.