segunda-feira, 4 de junho de 2012

Dossiê Bacalhau


Antes de começar, aviso que esta postagem não tem o intuito de menosprezar ou diminuir a gloriosa história do Vasco da Gama, clube que respeito e admiro, um dos maiores do Brasil e do mundo. O único objetivo desta (e de outras que virão, sobre outros clubes) é mostrar atitudes incorretas tomadas por dirigentes do clube ao longo da história, como um alerta para que nunca mais se repitam. Sintam-se livres para utilizar o espaço dos comentários para fazer as suas considerações.

1923 - Luta pela inclusão? Ou vantagem desleal?
A versão que costumamos ouvir da história do primeiro título do Vasco é muito romantizada. Logo em seu ano de estreia no Campeonato Carioca, o clube levantou a taça de maneira espetacular, com um timaço avassalador. O domínio vascaíno foi tamanho que gerou suspeitas, de que o Vasco não estaria jogando de acordo com as regras. E não estava mesmo. Empresários portugueses pagavam os jogadores para que eles se dedicassem exclusivamente ao futebol - o que era proibido pelo regulamento da Liga. Como o futebol ainda vivia a fase do amadorismo por aqui, todos os jogadores eram obrigados a possuir uma profissão além do futebol. Os vascaínos podiam se preparar melhor e tinham, portanto, uma enorme vantagem competitiva em relação aos atletas dos outros clubes. Por isso, e por não querer se adequar às regras, o Vasco foi expulso da Liga, e não pôde defender seu título em 1924. A luta pela inclusão dos negros e dos pobres foi muito bonita, mas é utilizada para esconder o fato de que o Vasco não jogou de acordo com as regras estabelecidas na época.

1971 - A primeira maracutaia do Campeonato Brasileiro
No Campeonato Brasileiro de 1971, os dirigentes do nosso futebol deram uma enorme demonstração de criatividade: o regulamento previa que a classificação se daria não só pelos resultados de campo, mas também pelas rendas dos jogos (!!!). No intuito de obter a classificação pelo inovador critério, a direção do Vasco resolveu inflar a renda de um de seus jogos: comprou todos os 115.193 ingressos da partida contra o Palmeiras no Maracanã. O público presente, de cerca de 30.000 pessoas, demonstrava inequivocamente a fraude vascaína. A CBD se viu então obrigada a modificar o regulamento do Campeonato, acrescentando um segundo turno e eliminando o critério da renda. Eis a primeira "virada de mesa" do Campeonato Brasileiro.

1974 - O Cruzeiro teve a melhor campanha, mas...
No quadrangular final do Campeonato Brasileiro de 1974, Cruzeiro e Vasco terminaram empatados, e assim teriam que jogar uma partida extra para definir o grande campeão. Como a campanha geral do Cruzeiro era melhor (38 pontos contra 34), o jogo deveria ser disputado no Mineirão, em Belo Horizonte. No entanto, o Vasco conseguiu convencer a CBD a levar a partida para o Maracanã, alegando falta de segurança no outro estádio. O Bacalhau venceu por 2 a 1, e conquistou assim seu primeiro Campeonato Brasileiro. O Cruzeiro teve que esperar longos 29 anos para soltar o grito de campeão.

1981 - Suspensos? Nem tanto...
O lateral João Luís e o meia Marquinho estavam suspensos para o segundo jogo da decisão do Campeonato Carioca de 1981, contra o Flamengo. Entretanto, Eurico Miranda conseguiu na Justiça uma liminar para escalar os dois atletas. O Vasco venceria a partida por 1 a 0, forçando a realização de uma terceira partida (que acabaria vencida pelo Flamengo).

1984 - Entrando pela janela no Campeonato Brasileiro
As vagas para o Campeonato Brasileiro de 1984 foram definidas pelo desempenho dos clubes nos seus respectivos Campeonatos Estaduais do ano anterior. O Vasco, sétimo colocado no Rio de Janeiro em 1983, não conseguira obter sua vaga. Pressionada, a CBF resolveu colocar o Bacalhau no Campeonato, por convite (outro beneficiado foi o Grêmio). O Juventus de São Paulo, campeão da Segundona em 1983, acabou alijado do Campeonato. De qualquer forma, é bom que se diga que o "penetra" Vasco fez jus ao convite de última hora: chegou à grande final da competição, que perdeu para o Fluminense. Com o vice-campeonato, o Vasco conseguiu a vaga na Copa Libertadores do ano seguinte.

1986 - Classificação e fuga do rebaixamento no tapetão
O confuso regulamento do Campeonato Brasileiro de 1986 previa que 32 clubes se classificariam à segunda fase. E mais: os clubes eliminados na primeira fase estariam rebaixados para a Segunda Divisão. Terminada a primeira fase, o Vasco estava eliminado e, portanto, rebaixado. Entretanto, o clube sentiu-se prejudicado por uma decisão do STJD, que dera uma vitória ao Joinville contra o Sergipe, por caso comprovado de doping. Assim, a direção vascaína resolveu entrar com uma ação na Justiça Comum, na tentativa de anular a decisão do STJD. Para evitar a paralisação do Campeonato, a CBF resolveu classificar os dois clubes. A bagunça dessa temporada foi tamanha que causou a completa reformulação do Campeonato no ano seguinte.

1990 - O jogo anulado na Copa Libertadores
Após ter sido eliminado da Copa Libertadores de 1990, pelo Atlético Nacional de Medellín, o Vasco conseguiu a anulação da partida disputada na Colômbia, devido a ameaças telefônicas recebidas pelo árbitro uruguaio Juan Daniel Cardellino nas 24 horas que antecederam a partida. O jogo foi repetido duas semanas depois, em Santiago do Chile. Não adiantou nada: o Atlético Nacional derrotou novamente o Vasco, e avançou às semifinais.

1992 - Clássicos sempre em São Januário
Com o Maracanã em obras, os clássicos do Campeonato Carioca teriam que acontecer em outros estádios. A direção do Vasco mostrou toda a sua força nos bastidores: todos os clássicos envolvendo o cruzmaltino foram disputados em São Januário. O Vasco acabou conquistando o título.

1997 - O craque expulso joga a grande final
Edmundo, grande nome do Vasco naquele Campeonato Brasileiro, recebeu o terceiro cartão amarelo no primeiro jogo da final contra o Palmeiras, e assim estava suspenso da partida de volta. Orientado pelo banco de reservas, nos minutos derradeiros o craque ofendeu o árbitro, para ser expulso de propósito. Durante a semana, o Vasco conseguiu o "efeito suspensivo" para escalar Edmundo na grande final, contrariando as "Regras do Jogo" da FIFA, que determinam a suspensão automática de atletas expulsos. O Vasco conquistou o título.

1998 - O campeonato dos W.O.'s
Em 1998, o Vasco venceu o Carioca que ficou conhecido como "o campeonato dos W.O.'s". A Federação, comandada por "Caixa d'Água", notório amigo de Eurico Miranda, adiava jogos do Vasco a todo momento, alegando que o time disputava competições demais. Os três rivais do Vasco então uniram-se e decidiram não jogar mais partidas que tivessem sido adiadas. No dia 10 de maio, o Botafogo não compareceu ao Maracanã para enfrentar o Vasco, que venceu por W.O.. No dia 13 de maio, nem Flamengo nem Fluminense compareceram a Moça Bonita: W.O. duplo. No dia 14 de maio, o Vasco venceu o Bangu em Moça Bonita, com um gol nos acréscimos do segundo tempo, já sem a mínima condição de iluminação (o árbitro já havia paralisado a partida, tendo sido convencido por Eurico a continuá-la). Com o resultado, o Vasco conquistou o título. No dia 17 de maio, o Flamengo não compareceu ao Maracanã para enfrentar o Vasco, no jogo que seria o da entrega de faixas. Nada como mais um W.O. para encerrar aquele campeonato com chave de ouro...

1999 - O jogo interrompido
Em São Januário, o Vasco empatava com o Paraná pelo Campeonato Brasileiro. Após o árbitro Paulo César Oliveira expulsar três jogadores do Vasco (Mauro Galvão, Alex Oliveira e Juninho Pernambucano), o dirigente Eurico Miranda invadiu o gramado, e advertiu o sujeito: "Assim, eu não tenho como conter estas pessoas revoltadas com a sua atuação. Vai ser difícil garantir a sua integridade depois dessa. Você me expulsou três jogadores". A atitude de Eurico inflamou a arquibancada, e a partida acabou interrompida por falta de segurança. No tribunal, o placar de 1 a 1 foi mantido.

2000 - A escalação irregular de Jorginho Paulista
O Vasco escalou o lateral-esquerdo Jorginho Paulista de forma irregular em pelo menos quatro partidas do Campeonato Brasileiro de 2000 (a Copa João Havelange). Se o Código Brasileiro Disciplinar de Futebol, vigente na época, tivesse sido cumprido, o Vasco teria perdido 20 pontos, não se classificaria à segunda fase e não teria conquistado o título - teria terminado a primeira fase em 24º lugar, à frente apenas de Corinthians e Santa Cruz, e daria sua vaga no mata-mata ao Guarani, 13º colocado.

2000 - A decisão inacabada
A confusa Copa João Havelange tinha Vasco e São Caetano na grande final. O primeiro jogo foi disputado no Parque Antártica, em São Paulo, tendo o São Caetano desistido de atuar em seu campo, para dar maior segurança aos torcedores. Na segunda partida da final, a direção vascaína preferiu jogar em São Januário, a despeito da maior segurança que o Maracanã ofereceria. A superlotação no Estádio do Vasco era clara e evidente, e acabou causando uma tragédia com 168 feridos. O jogo foi interrompido, mas o dirigente Eurico Miranda fez de tudo para reiniciar a partida, até que uma ordem do governador suspendeu definitivamente o jogo. Três semanas depois, já em janeiro de 2001, a final foi disputada novamente, desta vez no Maracanã. Os minutos jogados em São Januário foram anulados, e o vascaíno Romário, que já havia sido substituído, pôde participar. O Vasco venceu por 3 a 1 e sagrou-se campeão brasileiro pela quarta vez em sua história.

PC

36 comentários:

  1. Gostei da ideia, PC. Algumas coisas eu não sabia, tipo do jogo anulado na libertadores e do campeonato do W.O.

    A história da luta contra o racismo do Vasco é tão romantizada que muitos pensam até hoje que o clube foi o primeiro a ter um jogador negro.

    Espero posts com o mesmo intuito sobre os outros clubes.

    Saudações Tricolores!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Vasco não foi o primeiro, pois São Cristóvão e Bangu, já possuíam jogadores Negros, mas foi o que lutou (leia sobre a AMEA e a Carta Histórica)!
      Só uma dica: Os Burgueses mandaram uma lista com 12 nomes dos jogadores do Vasco, e dentre estes nomes, estavam os nomes de todos os Negros!
      Ah! Tem mais! O Vasco teve que professores para ensinar alguns a escrever, pois havia uma perseguição aos analfabetos! Típico dos abastados da época.

      Dica: Leia o livro "O Negro no futebol", do Jornalista Mario Filho (acredito que saiba quem foi), ele retrata o papel dos times do subúrbio no futebol carioca!
      Só falta falar que Bairro da Saúde (onde foi fundado o remo) e São Cristóvão (local da sede), eram (e são) local da elite!!

      Excluir
    2. Não foram só São Cristóvão e Bangu que escalaram jogadores negros antes do Vasco. Foram Fluminense, America, Flamengo... todos estes escalaram atletas negros antes mesmo de o Vasco começar a jogar futebol...

      O livro "O Negro no Futebol Brasileiro", que eu já li e reli, é uma das principais fontes de pesquisa deste post. Esse livro desmascara essa historinha de que o Vasco lutou pelos negros em 1923 - estava, isso sim, como escrevi no post, jogando com uma vantagem desleal - escalando um time profissional contra adversários amadores.

      A "lista" de jogadores do Vasco incluía os negros, mas não apenas os negros: era simplesmente a lista de todos os que estavam em condição irregular, pois recebiam salários para treinar e jogar, o que era proibido pelo regulamento da AMEA.

      Excluir
  2. Meu caro meias verdades.
    Seria mais interessante se voce colocasse a verdade "inteira".
    Também seria bom udm Dôssie Fluminense
    - O Time que ganhava tudo nos tempos do Horta
    - Como o time subiu da 3a divisão do brasileiro direto para 1a
    - Como o Fluminense aceitou os favores do ditador do Vasco e depois o traiu
    Parabéns pelo título brasileiro
    Saudações esportivas
    Se preocupe mais em divulgar seu ótimo site e não jogar a sujeira da sua casa embaixo do tapete e apontar a casa dos outros

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  4. Caro Ibrahim,

    Gostaria que você apontasse quais foram as "meias-verdades" que escrevi.

    E contasse as "verdades inteiras".

    Isso sim seria mais interessante.

    Sobre o Dossiê Fluminense, um dia escreverei. Só não será tão extenso quanto o do Vasco...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

      Excluir
  5. Post citado em: http://www.maisev.com/forum/esportes-e-apostas-esportivas/70521-mesa-de-boteco-futebol-2013-a-643.html

    ResponderExcluir
  6. O primeiro clube brasileiro a escalar um jogador negro foi o Bangu Atlético Clube em 1905. Pelo seu feito, recebeu em 2001 a Medalha Tiradentes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas na hora de defender os negros, preferiu ficar com os demais racistas, o que faz o Vasco ser reconhecido foi o fato de ignorar a ideia de não deixar negros e pobres disputarem o campeonato, o escritor do dossiê, esqueceu de dizer que os demais clubes eram compostos por filhinhos de papaia ricos e que também não trabalhavam o que também descumpriram a regra.

      Excluir
    2. Cícero,

      Seu comentário dista da realidade em escala interestelar...

      Excluir
  7. O Fluminense teve um jogador negro egresso do América. Marco Antônio, que se cobria de pó de arroz desde os tempos do antigo time. Num jogo contra o próprio América, aquela torcida começou a gritar pó de arroz, quando o mesmo pegava na bola.

    ResponderExcluir
  8. Ótima ideia, PC! Espero que a série continue.

    ResponderExcluir
  9. 13 anos depois, outro dia soube que o Eurico não tentou reiniciar o jogo contra o São Caetano não. O relato é do jornalista Gilson Ricardo, que estava no campo e presenciou tudo.

    http://www.youtube.com/watch?v=fOjWFpoYbMU (a partir de 2:50)

    Outra coisa: na primeira frase, o autor afirma que não tem o objetivo de denegrir o Vasco. Mas faz isso nas entrelinhas ao questionar o incontestável título de 97, por exemplo. Queria saber se o Fluminense nunca conseguiu efeito suspensivo para algum atleta, francamente.

    Paguem a série B!

    ResponderExcluir
  10. Gustavo Coutinho,

    Dizer que Eurico Miranda não tentou reiniciar o jogo contra o São Caetano beira ao ridículo, vindo de quem quer que seja. Há vídeos dele em campo argumentando fervorosamente a favor do reinício do jogo.

    Eurico ficou tão furioso com a Globo (que exigiu ao vivo uma "decisão de uma autoridade" pela suspensão da partida - que acabou acontecendo) que, no jogo do Maracanã, mandou o Vasco atuar com o logotipo do SBT na camisa.

    Quanto a 1997, o título do Vasco está longe de ser "incontestável", apesar da excelente campanha daquele time. Não, Edmundo não poderia ter atuado naquele jogo final, pois a escalação violaria as Regras do Jogo da FIFA, que determinam claramente a suspensão automática de atletas expulsos. Sim, aquilo foi um tremendo "tapetão", talvez o mais impactante da história do futebol brasileiro.

    Quanto ao "paguem a Série B", peço que me esclareça: qual Série B você quer que o Fluminense pague? A de 2000, que não existiu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Subiu fazendo uma das melhores campanhas do Campeonato Brasileiro de 2000 - na fase de classificação, inclusive, ficou à frente do Vasco...

      Excluir
  11. Sou tricolor, mas efeito suspensivo é um artificio legal, e pelo que vi foi utilizado corretamente pelo Vasco da Gama.

    ResponderExcluir
  12. Nem tudo que é legal é ético...

    ResponderExcluir
  13. Texto citado nos comentários em:
    http://blogdopaulinho.wordpress.com/2013/11/20/consciencia-negra-1924-o-ano-em-que-o-vasco-da-gama-respondeu-ao-racismo-do-futebol/

    ResponderExcluir
  14. Esse caso da Final da Copa JH é muito parecido com o que ocorreu no Clássico entre Fluminense x Botafogo, nas Laranjeiras pelo Brasileiro de 1991. O jogo foi interrompido devido a confusão e a invasão do campo pelos torcedores e posteriormente o Fluminense conseguiu os pontos e a vaga nas Semifinais no STJD e eliminando por tabela o Corinthians. E antes que diga "quem começou a confusão foi a Torcida do Botafogo" o mando de campo era do Fluminense, o estádio era do Fluminense, foi o Fluminense que escolheu levar a partida para as Laranjeiras. Por tanto era o Fluminense que deveria oferecer total segurança para que a partida fosse realizada assim como o Vasco em 2000

    ResponderExcluir
  15. Renato Seixas,

    Sobre a confusão que você citou, do Fluminense x Botafogo de 1991, vamos contar a história do jeito certo, né? Foi a torcida do Botafogo que invadiu o gramado e obrigou a interrupção do jogo. Naquele dia, a torcida do Botafogo assumiu o risco da derrota ao invadir o gramado e depredar o estádio mais sagrado do futebol brasileiro.

    O Botafogo mereceu aquela derrota, até porque seus dirigentes incentivaram os torcedores a praticarem a barbárie, como se vê nos jornais daquela semana. Se a pena imposta foi justa? Depende do ponto de vista. Eu provavelmente decidiria por um novo jogo, mas é totalmente possível argumentar que a pena da derrota foi até pequena para o Botafogo. Esse ano mesmo, por muito menos, um clube foi excluído da Copa do Brasil (o Grêmio, pelo caso do racismo contra o goleiro Aranha, do Santos).

    Se a torcida visitante foi a causadora do incidente, e foi incentivada pela diretoria do clube a criar o tumulto, somente o visitante deve ser punido, óbvio. Que culpa teve o Fluminense???

    Aliás, naquele jogo a diretoria do Botafogo não apenas incentivou sua torcida a criar tumulto: o próprio clube comprou cinco mil ingressos para a torcida, conforme noticiaram os jornais da semana.

    Te incentivo a ler os jornais daquela semana, de antes e depois do jogo. Alguns estão disponíveis na internet até. Fica muito evidente que o Botafogo "tinha culpa no cartório". Os dirigentes alvinegros nem fizeram questão de esconder o incentivo à baderna, que seria uma resposta ao suposto absurdo de marcarem um clássico para Laranjeiras.

    De certa forma, o Botafogo conseguiu seu objetivo: aquele foi o último clássico da história do Estádio de Laranjeiras. Quem será que perdeu mais naquele primeiro de maio? O Botafogo, que perdeu um jogo? Ou o Fluminense, que "perdeu" o direito de mandar clássicos em sua casa? Vale a reflexão...

    A comparação com o caso do Vasco em 2000 até é cabível, mas convenhamos que a situação do Vasco foi muito pior, mas muito pior mesmo: houve centenas de feridos, e além disso a irresponsabilidade de vender ingressos além da capacidade-limite do estádio.

    ResponderExcluir
  16. pelo meu conhecimento.
    - Quem tem que oferecer a segurança necessária para que a partida seja realizada é o mandante.
    - Define a carga de ingressos disponível para a vendas é o mandante.
    - Clássicos devem ser realizados em estádios com capacidades superiores a 20.000
    - O Maracanã estava disponível para a realização do clássico.

    O que causou a revolta aos Dirigentes e a Torcida do Botafogo foi justamente o fato do Fluminense tirar a partida do Maracanã e levar para um estádio sem nenhuma condições de segurança e comodidade para a Torcida visitante.

    E antes que fale qualquer coisa sei da importância e do valor histórico que o estádio das Laranjeiras representa para o Futebol Nacional. Mas nos dias de hoje (mesmo há 22 anos atrás) não tem condições nem de realizar um jogo de estadual, quanto mais um clássico Decisivo e valendo uma vaga na Semifinal de Brasileiro

    ResponderExcluir
  17. Como pode ver:
    - um dos maiores ídolos do Fluminense reclamando da falta de segurança do estádio (tá certo que o Renato jogava pelo Botafogo na época)
    - a própria torcida tricolor reclamando da capacidade do estádio e da falta de ingressos
    - a confusão já acontecia mesmo do lado de fora e 2 horas antes do jogo começar
    http://www.youtube.com/watch?v=ZgZ44lsy9n8

    Ta ae uma fonte

    ResponderExcluir
  18. Como disse o Leo Batista
    "a maior parcela de culpa cabe a insensibilidade dos dirigentes que comanda o Futebol Brasileiro (principalmente os que comandava o Fluminense na época) foram eles que marcaram um clássico das tradições de Fluminense e Botafogo para um estádio que sabidamente não oferece a menor condição de segurança"

    Por tanto antes de apontar os podres dos outros (caso da Final da JH 2000), faça um favor. Olhe os próprios podres do Fluminense. Pois tem muitos.

    ResponderExcluir
  19. fora esse fato ae bem lembrado pelo Renato ainda houve outro. Em 1996 a torcida do Fluminense invadiu o gramado das Laranjeiras e agrediu os jogadores e a comissão técnica do Atlético-PR. O goleiro Ricardo Pinto que atuava pelo Atlético-PR e teve passagem pelo Fluminense foi a nocaute, ficou em coma durante 3 meses e teve que passar por uma cirurgia para retirar um coágulo no cérebro. Agora eu pergunto: Qual foi a punição imposta ao Fluminense ?

    O Atlético Paranaense e Vasco devido ao confronto em 2013 sofreram punições:
    Atlético-PR = 9 jogos de perda de mandos de campo (4 com portões fechados), além da multa de R$ 80 mil.
    Vasco = 6 partidas de perda de mandos de campo (3 com portões fechados), além da multa de R$ 50 mil.

    O Coritiba contra o mesmo Fluminense foi punido severamente em 2009. Teve que jogar praticamente toda a Série B de 2010 fora do seu estádio e da capital, multa de R$ 600 mil, em um estádio com capacidade reduzida para 10 mil torcedores ...

    Enquanto a Torcida do Fluminense por muito pouco não matou um profissional e o clube nem se quer foi punido na época.

    VASCÃO !!!

    ResponderExcluir
  20. Prezados,

    Fico sinceramente feliz ao ver que, para defender as estripulias dos dirigentes vascaínos, a única saída que restou a vocês foi atacar o Fluminense. Sinal de que o post está muito bem escrito, com argumentos sólidos e difíceis de se atacar. :)

    Tanto sobre 1991 quanto sobre 1996, só digo o seguinte: ambas as situações foram julgadas pelos tribunais competentes, e as punições impostas aos julgados culpados. Em 1991, foi o Botafogo. Em 1996, foi o Fluminense.

    Sim, senhor Raul Russo, em 1996, o Fluminense FOI CONDENADO E PUNIDO pela justiça desportiva. Sua memória está falha. O Fluminense teve que pagar uma multa, e foi obrigado a mandar seus últimos jogos daquele Campeonato longe do Rio de Janeiro (foi jogar em Cariacica, no Espírito Santo). Dizer que o Fluminense não foi punido beira ao ridículo - ou é absoluta falta de informação, ou é desonestidade mesmo.

    Voltando a 1991, essas "regras" que dizem que o clássico não poderia ter sido realizado em Laranjeiras são invenções de sua mente fértil. OK, Laranjeiras pode não ter sido a melhor escolha, e era válido criticar isso, como Renato Gaúcho fez na época. Agora, isso não dá aos torcedores do Botafogo o direito de invadir o gramado e depredar o estádio, como fizeram. E repito: o fizeram com incentivo descarado e financiamento da diretoria alvinegra. Portanto, acho totalmente justa a punição imposta pelo tribunal ao Botafogo.

    Por fim, peço que se atenham aos assuntos do post. Aqui, não é para discutir os supostos podres do Fluminense (nem do Botafogo, nem do Flamengo). Aqui, é para discutir o Vasco, só o Vasco.

    A partir de agora, comentários fora do tópico serão sumariamente excluídos, sem direito a questionamento.

    Atenciosamente,
    PC

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  22. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  23. Acrescentado o tópico 2000 - A escalação irregular de Jorginho Paulista:
    O Vasco escalou o lateral-esquerdo Jorginho Paulista de forma irregular em pelo menos quatro partidas do Campeonato Brasileiro de 2000 (a Copa João Havelange). Se o Código Brasileiro Disciplinar de Futebol, vigente na época, tivesse sido cumprido, o Vasco teria perdido 20 pontos, não se classificaria à segunda fase e não teria conquistado o título - teria terminado a primeira fase em 24º lugar, à frente apenas de Corinthians e Santa Cruz, e daria sua vaga no mata-mata ao Guarani, 13º colocado.

    ResponderExcluir
  24. Ainda teve a escalação irregular de Gersinho pelo Vasco contra o Fluminense pela Copa Libertadores de 1985.

    O Vasco sabia que tinha um time pior, Eurico sabia que o jogador estava irregular e mandou escalá-lo ainda assim, só para tumultuar a competição.

    Depois o Fluminense ganharia os pontos da partida, mas estranhamente isto é esquecido nas tabelas e rankings da Libertadores da América.

    ResponderExcluir
  25. E ainda teve história de gols anulados na final de 1974:

    Almanaque Yahoo: Em 1974, Vasco e Cruzeiro fizeram uma final polêmica de Brasileirão, por Celso Unzelte.

    https://esportes.yahoo.com/video/almanaque-yahoo-em-1974-vasco-162107101.html

    ResponderExcluir
  26. Parceirinho, suas colocações tem um pouquinho de falha:
    Em 1923, os jogadores trabalhavam para os portugueses, "patrocinadores" do clube. Havia sim, uma liberação para treinar e um "bicho". Os caras não se dedicavam 100% aos treinos, como você da ao entender. E o Vasco foi time que lutou pelos negros, e não o primeiro a aceitar. Se ele foi excluido pelo fator grana, porque a lista com os 12 nomes (dentre os nomes, todos os negros estavam listados)?
    Em 1974 (segue o regulamento: "Art 59 - Quando houver tentativa de agressão ou agressão por parte do público ou de dirigente, associado ou empregado do clube local a árbitro, seus auxiliares, dirigentes, empregados ou jogadores do clube visitante, o Departamento de Futebol da CBD reestruturará a tabela do Campeonato, invertendo o mando de campo de três jogos subsequentes do clube local". [Jornal O Globo, p. 40, 30/07/1974])
    Em 1986, recorreu-se aos pontos ganhos pelo Joinville, quando deveria ser apenas a anulação!
    Em 1992, te pergunto? Se o Santos joga na Vila, porque o Vasco esta usando de tapetão para jogar em São Januário?
    Em 1997, era normal recorrer a liminar. Você fala como se fosse o unico caso!
    Em 1997, que culpa tem o Vasco, se os coras não foram? Então o Sport pode ser campeão BR (com mérito) por WO, mas o Vasco não?
    Em 2000, sendo interrompida a partida, você não acha que ela deveria ser reiniciada?

    Seu Dossiê está muito fraquinho!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sobre 1923: se havia pagamento para os jogadores, como você mesmo confessa, está demonstrada a irregularidade do time do Vasco, que deveria até mesmo perder o título do Campeonato por não ter cumprido o regulamento da competição.

      Sobre 1974: esse artigo que você cita não foi aplicado. O jogo foi transferido do Mineirão para o Maracanã "devido à falta de segurança do estádio". Foi, sim, um belo tapetão vascaíno, não adianta tentar mudar a realidade.

      Sobre 1986: a eliminação e o rebaixamento do Vasco foram "desfeitos" numa canetada da CBF. O fato foi amplamente noticiado na imprensa. PAGUE A SÉRIE B. rsrsrs.

      Sobre 1992: uma coisa é o Santos jogar os clássicos com mando de campo na Vila Belmiro. Outra coisa é o Vasco jogar TODOS OS CLÁSSICOS DO CAMPEONATO em São Januário. Não seja desonesto.

      Sobre 1997: Edmundo jogou a final tendo sido expulso no jogo anterior. Ponto. Não interessa se outros times fizeram. Não é porque o PT rouba que os outros partidos podem roubar também.

      Sobre 1998: o Vasco tem culpa, sim, porque era super-beneficiado pela Federação amiguinha, que vivia adiando seus jogos. Foi isso que causou a revolta dos outros clubes, e os W.O.'s. Parabéns, o Vasco é o único campeão do WO. Comemore esse título único! rsrsrs.

      Sobre 2000: o jogo foi interrompido por erros grosseiros por parte do Vasco, que pôs em risco a segurança e a vida dos torcedores. O São Caetano abrira mão de atuar em seu acanhado estádio, por que o Vasco não fez o mesmo? O correto nesse caso seria dar a taça ao São Caetano e punir o Vasco com a desclassificação...

      O dossiê pode estar "fraquinho", mas pelo visto deixou vc bem irritadinho... rsrsrs...

      Excluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.