domingo, 29 de abril de 2012

Recordar é viver - A decisão de 1946

Ademir e Gentil, os personagens da conquista.

No início do ano, o treinador Gentil Cardoso profetizou: "deem-me Ademir, e eu lhes darei o Campeonato". Os dirigentes tricolores cumpriram sua parte, tiraram Ademir do Vasco da Gama. E então Gentil se viu obrigado a fazer do Fluminense o grande campeão de 1946.

O Campeonato não foi nada fácil, talvez tenha sido o mais equilibrado de todos os tempos. Após as 18 rodadas, 4 clubes terminaram rigorosamente empatados na primeira colocação, com 26 pontos ganhos cada um. O Fluminense tinha maior goal average que Flamengo, América e Botafogo, mas o regulamento determinava o desempate em um quadrangular final. Pela primeira vez na história, a glória máxima do Rio de Janeiro seria decidida num Supercampeonato.

Na primeira rodada do Supercampeonato, o Fluminense apenas empatou com o Flamengo em São Januário, 1 a 1. Foi o único tropeço do Tricolor: depois disso, vitórias sobre o América (8 a 4 em General Severiano), o Botafogo (3 a 1 em São Januário), o Flamengo (4 a 1 em São Januário) e novamente o América (6 a 2 na Gávea). No jogo final, marcado para São Januário, os dois clubes com chances de título se enfrentariam: o Fluminense com 9 pontos, e o Botafogo com 8. O estádio do Vasco transbordava de gente, com 27.094 pagantes ansiosos pela decisão. Qual seria o grande campeão? O Botafogo de Heleno ou o Fluminense de Ademir? Venceria a defesa mais segura do Botafogo, ou o ataque mais produtivo do Fluminense?

O Tricolor não escondia a condição de favorito. Afinal, sempre fora o maior campeão da cidade (já somava 14 conquistas até então, incluindo 1 tetra e 2 tricampeonatos). Além disso, o seu ataque era avassalador: antes da partida decisiva, o Fluminense assinalara incríveis 96 gols em 23 jogos. Era praticamente impossível parar aquele quinteto extraordinário, formado por Pedro Amorim, Ademir, Careca, Orlando Pingo de Ouro e Rodrigues.

O Fluminense começou o jogo no ataque, insistindo nos primeiros 12 minutos, até que o Botafogo conseguiu começar a agredir também. Mas a vigilante defesa tricolor, formada por Gualter e Haroldo e protegida por Paschoal, Telesca e Bigode, sempre conseguia afastar o perigo. O primeiro tempo estava perto de terminar, quando o alvinegro Belacosa escorregou, abrindo um clarão na defesa do Botafogo. Foi ali que Pedro Amorim tocou, e Ademir invadiu, desmarcado. Ele arrematou forte, e a bola entrou no canto direito do gol defendido por Oswaldo Baliza: Fluminense 1 a 0 na finalíssima.

O Botafogo não tardou a reagir, mas Tovar e Heleno desperdiçaram a chance que tiveram, graças à intervenção de Bigode, e o primeiro tempo terminou com a vantagem tricolor no placar. Na segunda etapa, as ações correram de maneira semelhante: inicialmente, o Fluminense atacou; depois, o Botafogo equilibrou.  O goleiro tricolor Robertinho precisou agir algumas vezes. Em duas oportunidades, uma para cada lado, a bola explodiu na trave: uma cabeçada de Heleno para o Botafogo, e uma cabeçada de Careca para o Fluminense.

O árbitro Mário Vianna teve grande atuação, sendo imparcial e enérgico, de acordo com quase todos os relatos disponíveis. Quando ele apitou o final da partida, os torcedores tricolores invadiram o campo para abraçar os jogadores campeões, numa enorme demonstração de alegria.

Da beira do campo, Gentil Cardoso avistou Ademir nos braços do povo. Então, lembrou-se de sua promessa e chorou. Ele deu mesmo o Campeonato ao Fluminense.

PC

Ficha Técnica
22/12/1946 - Fluminense 1 x 0 Botafogo
Local: São Januário (Rio de Janeiro).
Motivo: Campeonato Carioca de 1946 (decisão).
Árbitro: Mário Vianna.
Renda: Cr$ 335.995,00.
Público: 27.094 pagantes.
FFC: Robertinho; Gualter e Haroldo; Paschoal, Telesca e Bigode; Pedro Amorim, Ademir, Careca, Orlando Pingo de Ouro e Rodrigues. Técnico: Gentil Cardoso.
BFR: Oswaldo Baliza; Gérson e Belacosa; Ivan, Newton Senra e Juvenal; Nilo, Geninho, Heleno, Tovar e Braguinha. Técnico: Martim Silveira.
Gol: Ademir, aos 36 do primeiro tempo.

Fontes de pesquisa: Jornal do Brasil, Portal Campeonato CariocaRSSSF Brasil [1], RSSSF Brasil [2]UFPRWikipedia.

5 comentários:

  1. Oswaldo Baliza, esse nasceu pra ser goleiro ;)

    Esse jogo está no filme do Heleno?! =P

    Att,

    ResponderExcluir
  2. Bigmontz, deve estar, porque esse foi o principal Clássico Vovô que Heleno jogou.

    Mas não sei, ainda não vi o filme...

    ResponderExcluir
  3. Caros amigos,

    se quisessem um técnico digno deste nome, a dupla Peter-Pan e Fada-Sandrinho deveriam ter contratado o Vadão e não o Abelerdo Draga.

    Esperar três meses por um entregador de camisas que não treina o time, só mesmo a dupla da Terra do Nunca e cheirando muito Pó do Pirimpimpim, vejam os lances de um jogo de futebol de verdade...

    http://www.youtube.com/watch?v=xj_GrHiqQE4

    Abraços.

    SSTT

    ResponderExcluir
  4. Me disseram que o jogo está no filme, mas alteraram quase tudo.

    De São Januário passou pra Laranjeiras, de 1 a 0 passou pra 1 a 1, criaram um pênalti pro Heleno perder...

    Só o Fluminense é que continuou campeão. Menos mal.

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.