terça-feira, 12 de dezembro de 2017

Efemérides tricolores - 12 de dezembro


1920: em partida válida pelo returno do Campeonato Carioca, no campo da rua Paysandu, o Fluminense ganhou por 3 a 2 do Mangueira, graças aos gols de Zezé, Moura Costa e Machado.

1929: em jogo amistoso, em beneficio das crianças pobres, o Fluminense derrotou o Vasco por 2 a 1, em São Januário, com dois gols do centroavante Alfredinho, e Mário Mattos descontando para os anfitriões. A vitória tricolor foi um "carimbo na faixa" do Vasco, que havia conquistado o Campeonato Carioca após final contra o America. O clássico também serviu de tira-teima para os confrontos do ano, que terminou com duas vitórias do Fluminense contra uma do Vasco.

1937: em partida válida pela segunda rodada do returno do Campeonato Carioca, o Fluminense ganhou por 3 a 2 do Bonsucesso, em Teixeira de Castro. Os gols tricolores foram de Hércules (dois, um deles às vezes creditado como gol-contra de Álvaro) e Alfredinho. Com campanha de onze vitórias, um empate e uma derrota, o time do Fluminense seguia firme rumo à conquista do bicampeonato do Rio de Janeiro.

1943: na primeira das cinco partidas da decisão do Campeonato Brasileiro de Seleções Estaduais, no Estádio do Pacaembu, em São Paulo, a Seleção Carioca perdeu por 3 a 1 para a Seleção Paulista, de virada. O escrete do Distrito Federal atuou com a seguinte formação: Batatais [Fluminense]; Domingos da Guia [Flamengo] e Laranjeiras [Canto do Rio]; Biguá [Flamengo], Rui Campos [Fluminense] e Jayme de Almeida [Flamengo]; Pedro Amorim [Fluminense], Ademir Menezes [Vasco], Pirillo [Flamengo], Perácio [Flamengo] e Vevé [Flamengo]. Pirillo abriu o placar para os cariocas, cobrando pênalti; os paulistas viraram com gols de Leônidas e Luizinho (dois). A segunda partida da final aconteceria três dias depois, novamente no Pacaembu (vide 15 de dezembro).

1948: em partida válida pelo returno do Campeonato Carioca, em Figueira de Melo, o Fluminense venceu o São Cristóvão por 5 a 1. Os gols tricolores foram de Orlando Pingo de Ouro (quatro, um deles de pênalti) e Santo Cristo (de cabeça).

1954: em jogo válido pelo segundo turno do Campeonato Carioca, o Fluminense ganhou por 5 a 3 do Canto do Rio, no Estádio Caio Martins, em Niterói. Didi, Marinho, Javier Ambrois (dois) e Róbson marcaram os gols da vitória tricolor.

1959: o Fluminense conquistou o Campeonato Carioca com uma rodada de antecipação, graças à vitória por 2 a 0 sobre o Madureira, gols de Décio Brito (contra) e Escurinho, diante de 40.302 presentes (34.795 pagantes) no Maracanã. Sob a batuta de Zezé Moreira, o Fluminense atuou com: Castilho; Jair Marinho, Pinheiro e Altair; Edmilson e Clóvis; Maurinho, Paulinho Omena, WaldoTelê e Escurinho. É o time mais identificado com o Fluminense em todos os tempos: estão presentes os cinco jogadores com mais atuações na história do clube (na ordem, Castilho, Pinheiro, Telê, Altair e Escurinho), além de Waldo, o maior artilheiro. Com a sensacional campanha de 17 vitórias, 3 empates e 1 derrota, 42 gols marcados e somente 6 gols sofridos nos 21 jogos, o Fluminense não poderia mais ser alcançado por nenhum rival: é campeão!
O Fluminense campeão carioca de 1959.
Em pé: Zezé Moreira, Clóvis, Jair Marinho, Edmilson, Altair, Castilho e Pinheiro.
Agachados: Maurinho, Paulinho Omena, Waldo, Telê e Escurinho.

1971: em jogo amistoso, disputado no Maracanã, o Fluminense derrotou o Flamengo por 4 a 1, graças aos gols de Silveira, Mickey (dois) e Marco Antônio.

1999: no segundo jogo do quadrangular final da Série C do Campeonato Brasileiro, no Vivaldão, em Manaus, o Fluminense empatou em 0 a 0 com o São Raimundo, mas ganharia os pontos devido à escalação irregular de um atleta pelo adversário. Nas semanas seguintes, o Tricolor conquistaria o título, e em breve retornaria a seu habitat, a elite do futebol nacional.

****

Aniversariantes do dia:

Adílson Ferreira Arantes, o Adilson (1916), ponta-direita com 23 gols marcados em 89 jogos pelo Fluminense, entre as temporadas de 1940 e 1945. Participou das conquistas dos Campeonatos Cariocas de 1940 e 1941, e do Torneio Oscar Cox em 1941.

Eurico Oliveira Filho (1931), jogador de futebol de salão do Fluminense nas décadas de 1950 e 1960, que atuava como ala-esquerdo.

Luís Eduardo Quadros Lima, o Luís Eduardo (1961), zagueiro com 49 atuações pelo time profissional do Fluminense, entre as temporadas de 1993 e 1994.

Édson Santana de Souza, o Édson Souza (1964), meio-campista com 12 gols marcados em 99 partidas pelo Fluminense, entre as temporadas de 1984 e 1987. Participou das conquistas do Campeonato Brasileiro de 1984, do Campeonato Carioca de 1985, da Copa Kirin de 1987 e do Torneio de Paris de 1987.

Luiz Marcelo Lima Machado, o Luiz Marcelo (1969), zagueiro com 2 gols marcados em 31 jogos pelo Fluminense na temporada de 1992, ano em que participou da campanha do vice-campeonato da Copa do Brasil.

PCFilho

5 comentários:

  1. Grande time este de 1959, nessa época pré globalização, anterior ao "futebol moderno" era possível manter os jogadores por um longo período de tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Fluminense mais Fluminense que já existiu.

      Excluir
    2. Não à toa, foi campeão de maneira avassaladora...

      Excluir
  2. Fico imaginando como seria se o Didi continuasse no Fluminense. Porque será que ele saiu, depois do título mundial?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Didi saiu em 1956, numa época em que o Botafogo era o clube mais rico do Rio de Janeiro, e tirou jogadores bons de todos os rivais.

      Mas evidentemente não foi um bom negócio para o Fluminense. Didi foi o maior gênio do futebol brasileiro nesses anos anteriores ao surgimento e amadurecimento de Pelé. De fato, se esse time de 1959 ainda tivesse o reforço do Didi, seria ainda mais absurdo. Talvez vencesse todas as partidas do Campeonato.

      Excluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.