terça-feira, 12 de abril de 2011

Libertadores - Um campeão lá em cima


Amigos, quando o Cruzeiro conquistou sua primeira Libertadores da América, no Estádio Nacional de Santiago, em 30 de julho de 1976, uma pessoa no céu também levantou a taça.

O primeiro título internacional do Cruzeiro foi marcado pela dor: um de seus jogadores mais queridos, Roberto Batata, falecera em um acidente automobilístico, no quilômetro 182 da Rodovia Fernão Dias, no dia 13 de maio. O quadro mineiro jogava as semifinais da Libertadores (na época triangulares), e havia acabado de vencer as partidas contra a LDU em Quito e o Alianza em Lima. Aquele jogo na capital peruana, ninguém poderia saber ainda, seria o último da carreira de Roberto Batata. Na vitória por 4 a 0, Batata assinalou um gol, e foi eleito o melhor em campo.

Em celebração do triunfo, Batata e Nelinho foram passear para conhecer a cidade de Lima, antes da volta ao Brasil, e por isso chegaram tarde ao aeroporto. O técnico Zezé Moreira, rígido e disciplinador como sempre, não deixou de repreendê-los pelo desvio. Mas nem este incidente fez cessar a alegria contagiante do grupo, que estava a um passo de chegar à final da América.

Os jogadores teriam uma folga de dois dias, antes do retorno aos treinamentos. E Batata aproveitou para ir ver sua esposa Denize e seu filho Leonardo, de 11 meses, em Três Corações, onde moravam. Ainda no aeroporto de Belo Horizonte, se separou do restante do grupo, e entrou no carro para a última viagem de sua vida. A batida atrás de um caminhão foi fatal.

Da estréia contra o Peñarol, em 1971, até aquele jogo em Lima, foram 281 partidas pelo Cruzeiro, com 110 gols assinalados. Roberto Batata conquistara quatro vezes o Campeonato Mineiro (de 1972 a 1975).

Sete dias após a tragédia, o Cruzeiro entrava no gramado do Mineirão, ainda de luto, para enfrentar o Alianza Lima. A camisa 7 estava ali, à beira do campo, em homenagem dos companheiros a Roberto. E o Cruzeiro venceu por 7 a 1, assegurando antecipadamente a vaga na finalíssima.

O título foi decidido em 3 jogos: Cruzeiro 4 a 1 em Belo Horizonte, River Plate 2 a 1 em Buenos Aires, e Cruzeiro 3 a 2 em Santiago. Após a grande vitória em terras chilenas, todo o elenco se ajoelhou no gramado e orou por seu companheiro, aquele que resolvia os jogos quando a fé estava abalada, aquele que não desistia nunca. Quando levantaram a Copa Libertadores, com uma mistura de dor legítima e alegria imensurável, os cruzeirenses sabiam que alguém lá em cima, sobre o enorme céu desta América de futebol, estava sorrindo.

PC

Um comentário:

  1. arrepio com essa história do Batata, mais uma vez ótimo texto PC!!

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.