quinta-feira, 19 de março de 2009

Recordar é viver - Fluminense 6, Arsenal 0


Minha amiga Lili, tricolor nata, confessa e hereditária, diz que "pelo Fluminense não se torce, se vive". Ela tem toda a razão: os sentimentos dos tricolores são mais intensos que os dos outros torcedores. Uma pelada qualquer pode se transfigurar em uma batalha épica, se o pó-de-arroz estiver envolvido. Torcer é realmente um verbo pouco intenso para a extraordinária experiência de ser tricolor. Sábias palavras, Lili: nós não torcemos pelo Fluminense, nós vivemos pelas três cores que traduzem tradição. E eu vos digo, caros leitores, que jamais se viveu tanto pelo Fluminense quanto na noite de 5 de março de 2008.

Nessa noite memorável, o Fluminense viveu o resgate de sua tradição internacional. Após 23 anos, voltamos a pisar no Maracanã em um jogo válido pelo principal campeonato da América: a Taça Libertadores. Aquela era a noite mais aguardada pelos tricolores velhos e jovens. Os velhos tinham saudade dos tempos da Máquina, e os jovens queriam ver, pela primeira vez, um time do Fluminense assombrando o mundo. Para tornar tudo ainda mais mágico, conseguimos na Justiça o direito de, novamente, fazer a tradicional festa do pó-de-arroz, após anos de proibição.

Na entrada dos jogadores em campo, acontece o momento sublime: a nuvem de pó-de-arroz encobre as arquibancadas do Estádio Mário Filho. Os jogadores oponentes devem ter ficado maravilhados diante daquela tempestade de talco, bandeiras e cantos. Maravilhados e assustados: afinal, eles teriam que lutar contra todos aqueles fanáticos, durante longos noventa minutos.

E o que se viu em campo foi o reflexo do show que se viu na arquibancada. A equipe do Fluminense jogava por música. Os passes eram precisos e rápidos, havia bastante movimentação, e o sistema defensivo estava seguro. Thiago Neves, de falta, abriu o placar, com uma cobrança magnífica, no ângulo. Minutos depois, Dodô ampliou, escorando de primeira um cruzamento. Ainda no primeiro tempo, Dodô fez bela jogada e deixou Gabriel livre, na cara do gol: Fluminense 3 a 0. Que primeiro tempo fantástico!

No início do segundo tempo, aconteceu a obra prima. Thiago Neves conduzia a bola pela ponta direita, viu um espaço na entrada da área e efetuou o lançamento de folha seca. A pelota foi em direção a Dodô, e este resolveu chutar de primeira. A trajetória da bola foi perfeita, e estufou as redes: 4 a 0. Um golaço, uma obra de arte, que deveria ser imediatamente recolhida ao Museu do Louvre, em Paris.

O Fluminense continuou avassalador. O centroavante Washington recebeu na frente, e bateu para o gol: 5 a 0. Ainda houve tempo para o sexto gol, do versátil Cícero, de falta. E assim ficou o placar final: Fluminense 6, Arsenal 0.

O adversário derrotado foi o argentino Arsenal de Sarandí, que vinha credenciado pela conquista da Copa Sul-Americana de 2007. Poderia ter sido o escrete húngaro de 1954, ou o carrossel holandês de 1974, ou a Seleção Brasileira de 1970, ou o Santos de Pelé. Diante daquela exibição perfeita, do time e da torcida, qualquer adversário capitularia. Era a grande noite do Fluminense, e a grande noite do Estádio Mário Filho. Aquela aurora anunciou a mais fantástica jornada que um clube jamais realizará na Taça Libertadores. Uma jornada sem final feliz, mas nem por isso menos fantástica.

PC

12 comentários:

  1. eu tava la, golao golao golao do DODO

    ResponderExcluir
  2. Agradecimentos:
    - Lili, pela frase inspiradora.
    - Cinegrafista ( http://www.youtube.com/user/bfwrj ).

    ResponderExcluir
  3. Jogaço, realmente inesquecível, como nossa inigualável campanha.
    O único time campeão com jornada possivelmente comparável à nossa foi o Santos de Pelé, os demais ganharam sem brilho, até sem merecer, como o flamengo em 81.
    Mas o futebol não é justo e o Tricolor não ergueu a merecida taça.

    ResponderExcluir
  4. Pc, de nada !
    sabe que pode contar sempre
    pra ajudar aqui no seu blog.
    é um prazer ! rs

    mais enfim , que jogo eeim !
    nossaaaa . com certeza teremos
    mais assim !

    ResponderExcluir
  5. o primeiro tempo foi sinistro... melhor atuação de um time que eu me lembre de ter visto

    ResponderExcluir
  6. o primeiro tempo foi sinistro... melhor atuação de um time que eu me lembre de ter visto [2]

    ResponderExcluir
  7. Os R$ 25 milhões gastos pela Unimed para montar aquele time foram justificados nesse jogo.

    ResponderExcluir
  8. TEnho vontade de chorar sempre que lembro da Libertadores...

    ResponderExcluir
  9. Foi a partida mais perfeita que eu vi o Flu jogar em toda minha vida!

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.