sexta-feira, 31 de julho de 2009

Ídolos do Fluminense

Faixa com onze rostos de ídolos. Da esquerda para a direita: Castilho, Pinheiro, Edinho, Didi, Rivellino, Telê Santana, Ricardo Gomes, Waldo, Romerito, Washington e Assis.

Recentemente, um botafoguense me interpelou, tentando diminuir o Fluminense. "O tricolor não possui ídolos", proferiu o alvinegro. E da sua boca pendia uma baba elástica, grossa e bovina. A intensa salivação deve ser sinal de alguma doença. Como não sou médico para diagnosticá-la, vou apenas apresentar pequenas ilustrações para ensinar um pouquinho de história ao amigo de General Severiano.

Começo com a foto de um único time do Fluminense. Antes de olhar o registro fotográfico, aconselho que ponham óculos de proteção, pois desta pintura vaza uma luz ofuscante.

[equipe do Fluminense em 1952, no Maracanã. Em pé: Píndaro, "papagaio de pirata", Édson, Jair (Santana), Bigode, Castilho e Pinheiro. Agachados: Telê, Didi, Carlyle, Orlando Pingo de Ouro e Quincas.]

Pouquíssimos clubes em toda a história do futebol mundial conseguiram reunir, numa mesma equipe, cinco lendas vivas do esporte bretão. Esse time de 1952 tinha Castilho, Pinheiro, Telê, Didi e Orlando. Não à toa, vencemos o Campeonato Mundial de Clubes nesse saudoso ano, que marcava nosso cinqüentenário.

Continuo minha exposição da história do Fluminense com um painel de jogadores:


O primeiro a aparecer é o ponta-direita Pedro Amorim, campeão de 1940, 1941 e 1946, autor de 80 gols em 204 partidas com a camisa do Fluminense.

Depois vem João Coelho Netto, o Preguinho, que é simplesmente o atleta brasileiro mais completo de todos os tempos. Marcou 156 gols em 172 partidas pelo Tricolor. Também fez o primeiro gol da Seleção em Copas do Mundo.

Flávio marcou 93 gols em 114 jogos. Entre eles, o gol que decidiu o até então maior Fla-Flu de todos os tempos, decisão do Campeonato Carioca de 1969. [clique aqui para conhecer a história deste jogo maravilhoso, nas palavras mágicas de Nelson Rodrigues]

Iniciando a próxima linha de craques, está Denílson. Ele era um cabeça-de-área de estilo clássico. Ganhou do Profeta Tricolor o apelido de Rei Zulu, devido à elegância imperial com que desfilava em campo. É o sétimo jogador com mais aparições pelo Fluminense, com 435 jogos e 17 gols.

Ao lado de Denílson, está o lateral-esquerdo Altair, que era conhecido por seu fôlego infinito, e também por ser um virtuose da técnica. Jogou 543 partidas pelo Fluminense (é o quarto jogador que mais atuou pelo Tricolor). Colecionou os canecos de 1957 (Rio-SP), 1959, 1960 (Rio-SP), 1964, 1966 (Taça GB) e 1969. Símbolo de dedicação e amor à camisa.

Sobre Didi, aconselho que leiam "O triunfo do homem", brilhante crônica de Nelson Rodrigues sobre a conquista de nossa primeira Copa do Mundo.

Cláudio Adão chegou em 1980 para levantar o Campeonato Carioca.

Edinho, prata-da-casa, zagueiraço de altíssima classe, exímio cobrador de faltas. Campeão carioca em 1975, 1976 e 1980, neste último marcando, de falta, o santo gol do título.

Carlos Alberto Torres, o capitão do tri da Seleção, foi formado pelo Fluminense. Na foto, aparece com o troféu do Torneio de Paris, uma das glórias conquistadas com a camisa tricolor.

Romeu Pellicciari, "o homem que passava meses sem errar um passe", era um autêntico técnico dentro de campo. Foi campeão carioca em 1936, 1937, 1938, 1940 e 1941, todos tendo o maior rival Flamengo como vice-campeão. Em 23/11/1941, teve fundamental participação no lendário Fla-Flu da Lagoa. Nessa decisão, o árbitro Juca da Praia deu doze minutos de acréscimo, porque o Fluminense isolava todas as bolas na Lagoa Rodrigo de Freitas, a fim de ganhar tempo. Foram os doze minutos mais espetaculares de um jogador de futebol. Mário Filho descreveu: "Romeu alongava caminhos, avançando, recuando, dando voltas, prendendo estrategicamente a bola. E ele não dava a bola para ninguém. Ela era só dele. E o tempo passava." Em 199 partidas pelo Tricolor, Romeu marcou 91 gols.

Félix Mielli Venerando era o goleiro da Seleção em 1970. No mesmo ano, venceu o Campeonato Brasileiro com o Fluminense. Ganhou ainda diversos outros troféus vestindo a camisa pó-de-arroz, no Brasil e no exterior.

Escurinho marcou 113 gols em 490 jogos, durante dez anos envergando o manto tricolor. Levantou o Rio-SP em 1957 e 1960, e também o Campeonato Carioca de 1959.

Acham que é só? Lá vai mais um painel:

1. Castilho; 2. Romerito; 3. Romerito comemorando o gol do título brasileiro de 1984; 4. Telê; 5. Deley; 6. Rivellino; 7. Waldo, o maior artilheiro; 8. Pinheiro; 9. Orlando, o "Pingo de Ouro"; 10. Carlos Alberto Pintinho; 11. Elba de Pádua Lima, o Tim; 12. Gérson; 13. Assis e Washington, o inigualável "casal vinte"; 14. Jair Marinho.

Na década de 70, houve também Marco Antônio, Mickey, Samarone, Manfrini, Kléber, Paulo César Caju, Doval, Zé Mário, Mário Sérgio, Cafuringa. Mais recentemente, tivemos Paulo Victor, Branco, Ricardo Gomes, Ézio, Aílton, Renato Gaúcho, Marcão, Magno Alves, Thiago Silva, Thiago Neves, Cícero, Darío Conca e outros. Poderia passar o resto do meu dia aqui a listar ídolos. Há clubes que vivem de um ídolo, ou dois ou três; outros vivem de um grande time. O Fluminense é diferente: os ídolos, os timaços, as máquinas se sucedem, uns após os outros, numa corrente que começou quarenta minutos antes do nada, e durará para sempre.

Ademir Menezes, Supercampeão Carioca de 1946.

Renato Gaúcho comemora em 1995. Campeão no Centenário do Flamengo!

Marcos Carneiro de Mendonça, o primeiro goleiro da Seleção Brasileira, tricampeão em 1919!

Thiago Silva, o mais recente ídolo do Fluminense. Levantou a Copa do Brasil em 2007, e participou da campanha histórica do vice-campeonato da Libertadores em 2008. Joga hoje no AC Milan, da Itália, e provavelmente jogará as próximas Copas do Mundo pela Seleção Brasileira.

Marcão, volante de muita disposição, jogou 397 partidas pelo Fluminense.

Mickey, herói do Campeonato Brasileiro de 1970!

Welfare e Bacchi, heróis do tricampeonato em 1919!

Ricardo Gomes, um dos zagueiros mais técnicos da história do futebol brasileiro.

Ézio, artilheiro que sempre balançava as redes rubro-negras...

Thiago Neves, maestro do time que assombrou a América em 2008.

Manfrini, craque na década de 70, terror do Flamengo!

Darío Conca, herói do Campeonato Brasileiro de 2010!

Há outra peculiaridade no Fluminense: alguns de seus grandes ídolos não foram jogadores de futebol. Que outro clube no mundo poderia reunir tantos ases assim, em tantas áreas diferentes?


Nelson Rodrigues, o maior cronista esportivo de todos os tempos.

Arnaldo Guinle, o patrono do Fluminense. O maior dirigente esportivo da história brasileira.

Chico Buarque, gênio da música brasileira.

Carlos Alberto Parreira, técnico campeão brasileiro pelo Flu e mundial pela Seleção.

Ivan Lins, expoente da Música Popular Brasileira.

Há ainda Barbosa Lima Sobrinho, Elis Regina, Tom Jobim, Santos Dumont, Mário Lago, Pedro Bial, Arthur Moreira Lima, Fernanda Montenegro, Fernando Torres, Oscar Schmidt, Cartola, Jô Soares, Francisco Horta, João Batista Figueiredo e muitos outros.

Não vou fugir da pergunta final: "E quem é o maior ídolo da história do Fluminense?". Respondo sem pestanejar: Carlos José Castilho.

O lendário arqueiro do Fluminense e da Seleção Brasileira tem um currículo espetacular, que inclui três campeonatos mundiais (a Copa Rio de 1952 pelo Fluminense - em que teve espetacular atuação - e as Copas do Mundo de 1958 e 1962 pela Seleção Brasileira). Amputou um dedo para continuar jogando pelo Fluminense, e é até hoje o recordista de atuações pelo Tricolor. Toda homenagem a Castilho é pouco diante do que ele fez pelo pó-de-arroz. Obrigado, Leiteria!

Certamente deixei de citar alguns nomes importantes, e peço desculpas envergonhadas por isso. Peço que apontem meus esquecimentos nos comentários. Encerro o post com um agradecimento ao Blog do Tricolor Verdadeiro, de onde copiei os painéis. Lá, há mais alguns mosaicos de ídolos tricolores. Valeu, Hélio!

PC

16 comentários:

  1. hmn... "botafoguense"?! =P

    O maior ídolo, na minha concepção, é o Thiago Silva, por ter liderado o Fluminense na sua mais espetacular campanha - o vice da Libertadores de 2008.

    PS: Poxa, o Tchico Buarque nunca fez nada pelo Fluminense, ele não merece nem ser citado. E é um PeTralha. Pega PeTralha! Pega PeTralha!

    ResponderExcluir
  2. Obrigado à Letícia Fernandes por me lembrar de mais alguns nomes!

    -----

    URL curta para esse post:
    http://bit.ly/TCHCq

    ResponderExcluir
  3. Outra URL curta para esse post:
    http://siga.st/1om1

    ResponderExcluir
  4. Minoru, quando o assunto é Fluminense, temos que ser cautelosos ao falar de mais espetacular campanha. Realmente a do ano passado foi longa e inesquecível. Mas o time de 52 era bizarro...
    E Castilho pra mim é insuperável, além de passar quase toda a carreira no Flu, o cara amputou um dedo só pra jogar uma decisão. Thiago Silva é ídolo, mas preferiu se transferir pro Milan, vai ter que fazer muuuuuita coisa ainda pra tentar ser o maior da história Tricolor.

    ResponderExcluir
  5. No orkut:
    http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs.aspx?cmm=28077&tid=5364716252114195670

    ResponderExcluir
  6. Você poderia responder simplesmente assim:
    "O Fluminense vive de títulos, não de ídolos. Vive de conquistas, não de glórias – a diferença é sutil. É um time que coleciona taças – venham elas de modo espetacular ou feio; estranho ou casual; no primeiro ou no último minuto; justo ou injusto. O que importa é o caneco – e ele costuma vir, seja com máquinas ou timinhos. Essa é a mística das três cores que traduzem tradição – essa amizade com a vitória – em suas variadas formas." Gustavo Poli, após o título do Flu da Copa do Brasil no seu blog

    Mas fez um texto sensacional, Parabéns!

    ResponderExcluir
  7. caralho PC, FENOMENAL
    FANTÁSTICO
    ABSURDAMENTE FODA
    meus parabéns!!! acho que é o melhor post que já li no Jornalheiros.

    ResponderExcluir
  8. E por isso visto esse manto, orgulho de ser tricolor!!!!!!!!!!!!!!!1

    Um clube não vive sem idolos e temos muitos!!!!!!!!!1

    Valeu, sensacional!!!

    ResponderExcluir
  9. muito bom esse post

    so faltou o marcão que pra mim foi um grande idolo no momento mais dificil da historia tricolor

    ResponderExcluir
  10. Boa coluna!

    Tanto por relembrar os ídolos como para nos mostrar que, procurando bem, da pra encontrar botafoguenses na rua...

    ST

    ResponderExcluir
  11. Deus no céu
    Preguinho e Castilho na terra

    ResponderExcluir
  12. Motivado pelo tópico de um piadista nato, resolvi expor aqui alguns dos ídolos do Fluminense. Quero ver se o piadista conseguiria montar 4 seleções como essa, com jogadores da história do time dele.

    Paulo Victor; Carlos Alberto Torres, Edinho, Ricardo Gomes e Branco; Didi, Telê e Assis; Romerito, Romeu e Washington.

    Batatais; Oliveira, Pinheiro, Thiago Silva e Marco Antônio; Jandir, Deley e Rivellino; Flávio, Tim e Hércules.

    Castilho; Píndaro, Duílio, Sorlei e Altair; Pintinho, Gérson e Conca; Orlando, Waldo e Escurinho.

    Marcos de Mendonça; Jair Marinho, Galhardo, Assis e Vica; Denílson, Welfare e Doval; Cafuringa, Paulo Cezar e Renato Gaúcho.

    Só pra mostrar o nível da parada: entre outros, o goleiro Félix, "só" titular da Seleção de 70, ficou de fora.

    Isso, amigos, é ter história.

    Orkut - Cartola FC

    ResponderExcluir
  13. http://www.orkut.com.br/Main#CommMsgs?cmm=28077&tid=5722648386132426419&na=4&nst=243&nid=28077-5722648386132426419-5722689054991213245

    ResponderExcluir
  14. TIM ROMERITO...o melhor jogador casaca 10 !!!

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.