sábado, 25 de julho de 2009

Recordar é viver - Fluminense 5, Cruzeiro 1

Rio de Janeiro, 11 de agosto de 2002.

Amigos, o Dia dos Pais não atrapalhou a festa tricolor no Maracanã. Mais de 68 mil pessoas se dirigiram ao Estádio Mário Filho: era a estréia do Fluminense Football Club no Campeonato Brasileiro, e mais que isso, era a estréia de Romário pelo Fluminense Football Club. O torcedor pó-de-arroz poderia ter ficado em casa, abanando seu pai com a revista d'O Globo. Mas não. Cada fluminense sentiu que deveria ir ao Maior do Mundo. Estava escrito há seis mil anos, diria Nelson Rodrigues: aquele seria um dia inesquecível para o clube de Laranjeiras.

Primeiro falemos sobre Romário de Souza Faria, o gigante de 1,68m. Às vezes, tenho a impressão de que o mundo conspira a favor do Baixinho. Mais: o universo conspira por Romário. É impressionante: ele conseguiu ser ídolo de Vasco e Flamengo! Não satisfeito, resolve que será ídolo do Fluminense também. E ele sabe, melhor que tudo e todos, o caminho para se eternizar nos corações de uma torcida: balançar as redes dos adversários.

Mas o clássico entre Fluminense e Cruzeiro não era só Romário. Havia também os outros 21 jogadores, o juiz e os bandeirinhas, os gandulas, os reservas, os técnicos. A estrela do Baixinho brilha tanto que às vezes nos esquecemos dos outros personagens do gramado. Mas eles também participam: tanto que, nos primeiros 25 minutos, o Cruzeiro domina o jogo, e só pára no goleiro Murilo, que defende com segurança os arcos tricolores.

Aos 28 minutos, ocorre o lance que mudaria toda a história do jogo: o atacante cruzeirense Joãozinho desonra o nome do pai, dando um carrinho criminoso em Marcão, o camisa 7 tricolor. O juiz Héber Roberto Lopes, corretamente, expulsa o jogador do Cruzeiro. Agora o Fluminense tinha a vantagem numérica. E aproveitou-se dela para lançar-se todo para o ataque.

Aos 30 minutos, vem o primeiro momento de êxtase no Maracanã. Marquinhos cruza, e Magno Alves mergulha de peixinho para marcar seu centésimo gol com a camisa do Fluminense. Uma façanha emblemática, afinal vivemos o ano do centenário tricolor. O Magnata merece homenagens em Álvaro Chaves: comeu o pão que o diabo amassou, foi criticado por tudo e todos, mas estava sempre lá metendo os seus golzinhos. Hoje, na festa de Romário, ele fez o número 100. Parabéns, Magno Alves! 1 a 0 Fluminense!

E o artilheiro dos 100 gols não parou por aí: achou Fernando Diniz na área, e este só escorou para o gol: 2 a 0 Fluminense, ainda no primeiro tempo, e Romário nem participou ainda! O programa de Dia dos Pais no Mário Filho definitivamente estava valendo a pena.

Héber Roberto Lopes parecia disposto a colaborar com Romário. Vander derruba Fernando Diniz fora da área, mas o juiz carequinha marca pênalti para o Flu. Pronto, Romário, está aí a sua chance de começar a escrever a parte verde, branca e grená de sua gloriosa história. A cobrança é perfeita, a comemoração é perfeita, a festa da torcida é perfeita. 3 a 0 Fluminense.

Começa o segundo tempo, a torcida tricolor quer mais, e é atendida. Beto, o outro estreante, chuta fraquinho, de canhota, e a bola entra de mansinho. Fluminense 4, Cruzeiro 0: magia no Maracanã. Quatro minutos depois, o mesmo Beto é expulso, por falta violenta em Batatais.

A igualdade numérica estava de volta, mas o Cruzeiro não se aproveitava disso. Com erros de passe inacreditáveis, a Raposa parecia implorar ao juiz que encerrasse o jogo. Já no finzinho, Fábio Júnior fez o gol de honra: 4 a 1. Parecia que o jogo inaugural do Campeonato Brasileiro havia acabado ali. Mas...

... Romário estava em campo. Ele inicia a jogada, triangula com dois companheiros, recebe na frente, e toca na bola de biquinho, vencendo o goleiro Jefferson. Um golaço com a assinatura de Romário: Fluminense 5 a 1.

Vasco, Seleção Brasileira, PSV Eindhoven, Barcelona, Flamengo... tantos já se apaixonaram pelo Baixinho! A torcida do Fluminense é a mais nova abençoada com o talento do maior centroavante que o mundo já viu.

PC

9 comentários:

  1. Jogo pra história! Show do baixinho!!!

    Amanhã se a gente ganhar de meio a zero já tá de bom tamanho...

    ResponderExcluir
  2. Eu tava lá...
    teve promoção da UNIMED. Quem tinha convênio pagava 1 kg de alimento! Paguei um kilo de arroz pra ver um dos jogos mais legais que já vi!!! Foi muito maneiro!!! Bom relembrar, valeu!!!

    ResponderExcluir
  3. Jogaço.

    Amanhã se a gente ganhar de meio a zero já tá de bom tamanho...[2]

    ResponderExcluir
  4. URL curta para esse post: http://siga.st/1ncs

    ResponderExcluir
  5. Romário é Romário e vice-versa!

    ResponderExcluir
  6. Eu estava lá. Romário era, é e sempre será SINISTRO!

    ResponderExcluir
  7. Há 9 anos, show de Romário na estreia pelo Tricolor...

    O Baixinho foi o melhor que eu vi jogar.

    ResponderExcluir
  8. Um de penalti e outro de biquinho, 100% Romário.

    ResponderExcluir
  9. Texto copiado no Sou Mais Flu:

    http://www.soumaisflu.com.br/wiki/Recordar_%C3%A9_viver_-_Fluminense_5,_Cruzeiro_1

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.