terça-feira, 14 de julho de 2009

A torcida coral


Recife, 11 de julho de 2009.

Amigos, o Arruda está magnífico, espetacular e belo: 45 mil pessoas lotam as arquibancadas e cadeiras do estádio do Santa Cruz. A fanática torcida coral canta bonito, em uníssono:
"E eu não paro, não paro não! Sou Santa Cruz! Sou tricolor, de coração!"

Um conhecido meu esteve lá, e me contou um episódio que ocorreu com ele, a caminho do estádio. Aconteceu quando ele estava junto da multidão, que empunhava bandeiras nos arredores da Avenida Beberibe. Um cidadão olhou assustado para a profusão de pessoas e perguntou ao meu amigo: "Visse, quanta gente! Vai ter jogo, é? O que é, Copa do Mundo?". Obviamente, o sujeito não acompanha futebol. Se um dia for a uma partida, ele há de perguntar quem é a bola. Mas, olhando toda aquela gente de olhos brilhantes que rumava para o Arruda, ele deduziu que se tratava de um campeonato importante. Copa do Mundo, pensou o cidadão!

Mas não era Copa do Mundo. Era jogo do Santa Cruz, o grande tricolor pernambucano, pela Quarta Divisão do Campeonato Brasileiro. Isso mesmo: era um jogo do Santa Cruz, válido pela Série D. O leitor deve se perguntar, perplexo: 45 mil pessoas em um jogo da quarta divisão? Sim, amigos, isso mesmo. Toda aquela fluvial multidão segue apaixonadamente o tricolor pernambucano, onde ele for. O clube da cobra coral está três divisões abaixo de onde já esteve, mas o seu povo o ama, o empurra, e o segue sempre. A paixão pelo Santinha, o outrora Terror do Nordeste, é incondicional e eterna.

Empurrado pela massa fanática, o Santa Cruz começou no ataque. Os idiotas da objetividade afirmam que torcida não ganha jogo, mas ganha sim. O grito das arquibancadas empurrava o tricolor pernambucano para o triunfo. As melhores chances eram nas cobranças de falta, mas o goleiro do Central, Davi, estava em dia inspirado: não passava nem pensamento. Até que Leandro Gobatto mandou uma bomba, e o arqueiro Davi não alcançou a bola. Para desespero da multidão, a bola explode na trave. Era mesmo o dia de sorte do grande goleiro do Central.

Veio então o segundo tempo, e o domínio coral continuava. Mas Davi permanecia uma bastilha inexpugnável. E, em futebol, quem não faz... leva. Aos 27 minutos, Baiano cruzou e Guego marcou: Central 1 a 0. O sofrimento continuava, colorido em preto, branco e vermelho. Porém, nem torcida nem time desistiriam facilmente. Todos dariam sangue, suor e lágrimas por um resultado melhor. Aos 33, Neto Maranhão tem grande chance, mas mais uma vez pára em Davi. Aos 36, Juninho cruza e Reinaldo cabeceia para fora. Quem não faz... Baiano novamente cruza, e Dinda desvia para o gol: Central 2 a 0.

Alguns torcedores abandonaram o barco nessa hora. Não agüentaram tanta tristeza, e foram embora do Arruda. Mas a grande maioria continuou. Melhor: continuou incentivando. Eis a prova maior da paixão inexcedível da torcida coral.

Aos 41, Alexandre cobra falta e finalmente vence Davi, recolocando o Santa Cruz no jogo. Central 2 a 1 no placar. Quarenta e sete minutos: bate-e-rebate na área do Central. Então, acontece o milagre: Juninho chuta feericamente para o gol. Era o empate do Santa Cruz, no último minuto da batalha. Mais do que isso: era a doce recompensa que a torcida coral tanto merecia.

O Santa Cruz lidera o Grupo 4, com 4 pontos em 2 jogos, e saldo 5. A equipe volta a campo no sábado, dia 18, contra o Sergipe, em Aracaju. O Central está em segundo, também com 4 pontos, mas com apenas 3 gols de saldo. O próximo jogo é em casa, domingo, contra o CSA.

Torcida coral, continue assim. Vocês são os grandes personagens do Santa Cruz. Em 1975, o tricolor pernambucano eliminou o Palmeiras no Palestra Itália, desclassificou o Flamengo no Maracanã, e foi um dos quatro melhores clubes do país. Um dia, vocês reviverão os tempos de glórias. O Santinha há de voltar à primeira divisão, de onde nunca deveria ter saído. E os grandes heróis da ressurreição serão vocês. Repito: o Santa Cruz há de voltar.

PC

Vídeo dos melhores momentos do jogo, com imagens de Manoel Felipe e reportagem de Taluama Cabral:


FICHA TÉCNICA
Local: Estádio do Arruda, em Recife/PE.
Público: 45.007 pagantes.
Renda: R$ 184.810,00.
Santa Cruz: Gustavo; Parral (Gilberto), Leandro Camilo, Alex Xavier e Marquinhos (Rossini); Anderson, Alexandre Oliveira, Marcos Mendes e Leandro Gobatto (Neto Maranhão); Juninho e Reinaldo. Técnico: Sérgio China.
Central: Davi; Baiano, Sidney, Fernando Belém e Édson Leite (Rafael); Rodolfo Potiguar, Vagner Rosa, Cosme e Guego; Bibi (Laércio) e Wilton Pantera (Dinda). Técnico: Adelmo Soares.
Árbitro: Emerson Batista.
Cartões Amarelos: Marcos Mendes e Alex Xavier (Santa Cruz); Edson Leite, Vagner Rosa, Rodolfo Potiguar, Sidney e Davi (Central)
Cartões Vermelhos: Rodolfo Potiguar e Vagner Rosa (Central)
Gols, todos no segundo tempo: Guego [27'] e Dinda [38'] (Central); Alexandre [41'] e Juninho [47'] (Santa Cruz).

5 comentários:

  1. Estão de parabéns!!!
    Se a torcida do Flu fizesse isso sempre no Maraca, o time estaria em melhor situação.

    ResponderExcluir
  2. torcida mais apaixonada do Brasil

    ResponderExcluir
  3. Com o ingresso custando quatro reais... facilita.

    ResponderExcluir
  4. Rodrigo,

    Vc acha que o Engenhão teria recebido 45 mil tricolores no domingo se o ingresso estivesse custando 4 reais?

    ResponderExcluir
  5. olha a diferença do "momento" deles e o nosso, se o Flu estive com uma pequena chance na 3 divisão do carioca iria dar 40mil no maraca sim!! pelo menos eu ACHO
    abçs...sempre otimos textos

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.