domingo, 4 de outubro de 2009

Recordar é viver - O Fla-Flu de 1984


Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 1984.

Amigos, na primeira partida do triangular, vencemos o Vasco por 2 a 0, com gols de Romerito e Paulinho. Para o bicampeonato, bastava a vitória contra o Flamengo. E como o Maracanã estava bonito: mais de 150.000 pessoas se espremiam nas arquibancadas, gerais e cadeiras. De um lado, os flamenguistas, sedentos pela vingança do gol de Assis no ano passado. Do outro lado, a legião tricolor, esperançosa por mais um bicampeonato. Antes do apito inicial, os torcedores do pó-de-arroz provocavam: "Recordar é viver, o Assis acabou com você". Nem tricolores nem rubro-negros sabiam, mas aquele cântico referia-se não apenas ao passado, mas também ao futuro. Uma hora e meia mais tarde, a multidão descobriria o que já estava escrito há mais de seis mil anos.

A semana fora marcada pela troca de farpas entre os treinadores: Carlos Alberto Torres, do Fluminense, e Zagallo, do Flamengo. A cada entrevista, o Capita reafirmava sua confiança no timaço que dirigia, campeão brasileiro em maio. Ele parecia ter a certeza profética do triunfo. Já o Velho Lobo acreditava que a boa fase tricolor estava perto do fim. Os jornais cariocas se aproveitaram das discussões, e venderam exemplares aos borbotões.

José Roberto Wright apitou, e o clássico imortal começou. O Fluminense no princípio estava muito melhor, mas sempre errava no último passe. E assim a primeira grande chance acabou sendo do Flamengo: Paulo Victor saiu mal em cruzamento, mas Duílio salvou. Pouco depois, foi a vez de Washington cabecear livre, mas em cima do goleiro argentino Fillol. Taticamente, a melhor opção do Fluminense eram as jogadas de Aldo pela direita. Porém, as subidas do lateral tricolor abriam perigosos espaços, que o Flamengo tentava aproveitar com Andrade, caindo pela esquerda. Antes ainda do intervalo, Washington, com uma bicicleta quase da linha de fundo, por pouco não encobriu Fillol. E o primeiro tempo terminou mesmo 0 a 0.

Veio o segundo tempo, e com ele toda a dramaticidade que acompanha um Fla-Flu decisivo. O Flamengo começou melhor, mas não conseguia finalizar. E assim a primeira grande chance acabou sendo do Fluminense: Assis só consegue raspar a cabeça em bola centrada por Aldo. Fla-Flu é lá-e-cá, e logo o Flamengo respondeu com Elder. Paulo Victor, em grande dia, saiu na hora certa e abafou o chute do atacante rubro-negro.

Repito: Fla-Flu é lá-e-cá, e assim veio o Fluminense. Romerito cruzou, e Assis cabeceou para baixo, como manda a cartilha: defesaça de Fillol. No escanteio, quase gol olímpico: a bola bate no travessão. Persistia o dramático 0 a 0 no placar. Era a vez rubro-negra, e veio o Flamengo, com Tita: defesa espetacular de Paulo Victor, em uma das melhores atuações de sua carreira.

Aos trinta minutos do segundo tempo, acontece a jogada que ficou, fica e ficará na memória de todos os presentes. Renê tem a bola pela direita, e Aldo passa como um foguete. Na hora certa, Renê enfia a bola. O cruzamento de Aldo é perfeito. A cabeçada de Assis é inapelável. Fillol observa, imóvel: a bola entra no ângulo esquerdo do arco defendido pelo argentino. Está inaugurada a estátua de Fillol na pequena área do Maracanã. E começa a festa do pó-de-arroz para os 70 mil tricolores presentes. Assis de novo, como em 1983! Era difícil acreditar naquela realidade, que parecia sonho!

Os últimos quinze minutos foram um drama à parte. O Flamengo, sem outra alternativa, lançou-se todo para o ataque. O Fluminense se segurava como podia. Na massa rubro-negra, choravam-se as lágrimas do desespero. A torcida tricolor chorava também, mas eram as lágrimas da felicidade. Que explodiram de vez quando José Roberto Wright apitou o final do jogo.

Cabe relembrar um decisivo episódio pré-jogo: a entrevista de Fillol. O arqueiro argentino menosprezou Raul, seu antecessor na camisa 1 rubro-negra. Afirmou que, se fosse ele a defender o arco rubro-negro ano passado, o antológico gol de Assis não teria acontecido. "Falar é fácil, mas na hora de ir lá defender ele não conseguiu", vibrou Assis, definitivamente consagrado como o Carrasco do Flamengo.

Os sábios dizem: "se tiver que ser assim, assim será". Os tricolores adaptam: "se tiver que ser Assis, Assis será". Fluminense, bicampeão estadual em 1984. Vamos tratar do tri!

PC

Vídeo do gol de Assis:

Ficha técnica: Fluminense 1 x 0 Flamengo.
Decisão do Campeonato Carioca de 1984.
Data: 16/12/1984.
Local: Maracanã.
Fluminense: Paulo Victor; Aldo, Duílio, Vica e Renato Martins; Leomir, Renê e Assis; Romerito, Washington e Tato. Técnico: Carlos Alberto Torres.
Flamengo: Fillol; Jorginho, Leandro, Mozer e Adalberto; Andrade, Adílio e Tita; Bebeto, Nunes e Elder. Técnico: Zagallo.
Árbitro: José Roberto Wright.
Gol: Assis, aos 30 minutos do segundo tempo.
Público: 153.520 pagantes.
Renda: CR$ 788.175.000,00.

Agradecimentos aos amigos:
- Fernando Afonso e Fernando Aster, pelos testemunhos de quem estava lá naquele dia.
- Luisinho, do Flumemória, pela ajuda na pesquisa do acervo.

Foto extra: Assis comemora!
A capa da Revista Placar!

Fontes de pesquisa:
- Acervo do Flumemória.

6 comentários:

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.