quarta-feira, 26 de maio de 2010

Sobre a gloriosa noite em que eu apitei o Fla-Flu



Amigos, a sensação é maravilhosa. Ainda no vestiário da arbitragem, eu ouvia o urro dos 120 mil fanáticos nas arquibancadas, gerais e cadeiras. De um lado, vinha um compacto e sonoro "Meeeeengoooooooo". Do outro, vinha um constante e firme "Neeeeenseeeeeee". Quando terminei de me vestir, olhei-me no espelho, e me vi dentro daquele bonito uniforme preto. Verifiquei meu bolso: lá estavam o apito, a caneta, o cartão amarelo e o cartão vermelho. Olhei o relógio: era a hora de subir para o gramado.

Assim que adentrei o campo, um pequeno povo na geral me direcionou palavras nada carinhosas. Em resposta, apenas sorri. Verifiquei as redes das duas balizas, e me dirigi ao centro do gramado, onde aguardaria a entrada das duas equipes. Primeiro veio o Flamengo, acompanhado de um urro colossal e de uma tempestade de bandeiras rubro-negras à esquerda das cabines. Depois veio o Fluminense, acompanhado de um canto de eterno amor, e de uma espessa nuvem de pó-de-arroz à direita das cabines. Que espetáculo bonito é o Fla-Flu, sem paralelo no mundo.

Começa o jogo, e o Flamengo está melhor, os jogadores rubro-negros correm mais. O atacante mais perigoso parte para cima, tenta o drible da vaca, e é derrubado pelo zagueiro do Fluminense. Eu estava próximo do lance e, claro, não vi falta alguma. Mando o sujeito levantar, ameaçando eu mesmo erguê-lo pelas trancinhas do cabelo. Mas, no ataque seguinte, ele sofre nova falta, e de novo vai ao chão. Corro para cima dele, faço com os braços um gesto de "acabou", e aplico-lhe o cartão amarelo pela simulação. "Se continuar reclamando, boto pra fora!", esbravejo.

O Fluminense está distraído, e perde uma bola boba no meio-campo. Três apitadas curtas pra parar o jogo: falta a favor do Tricolor. Na cobrança, um passe errado, no pé de um defensor rubro-negro. "Hoje está difícil", penso comigo mesmo. Graças a João de Deus, o ataque do Flamengo pára nas mãos do goleiro do Fluminense. E finalmente começa um bom ataque tricolor. Após a bela triangulação, entretanto, o meia argentino escorrega na entrada da área. Apitei no reflexo, falta. Os tricolores pedem cartão, e eu aplico o amarelo no zagueirão, que jura não ter encostado no hermano. A falta é perigosíssima. Posiciono a barreira muito além dos 9 e 15, até porque sei que eles vão andar (todo jogador de futebol é cínico). A cobrança do argentino é irretocável: a pelota morre no ângulo. Fluminense 1 a 0, e eu corro para o centro do gramado.

Um volante rubro-negro ainda está reclamando da falta. O descarado afirma que o hermano escorregou sozinho, e insiste na idéia. Não tenho alternativa: amarelo nele. O primeiro tempo segue disputado, com lealdade. Marco apenas umas poucas faltas, quase todas para o Fluminense. Como batem os jogadores rubro-negros! Deve ser ordem daquele treinador interino. Olho o relógio e vejo 45 minutos cronometrados. Nada de acréscimo, fim de primeira etapa no Maracanã.

No intervalo, a atmosfera no vestiário é outra, silenciosa. As duas torcidas estão naquele estado de tensão máxima, parecem poupar as vozes para o segundo tempo. O bandeirinha vem falar comigo: "parabéns, poucos veriam aquela falta". Agradeço assentindo com a cabeça. Olho meu cartão amarelo com três nomes escritos, todos do Flamengo. Penso de novo na violência exagerada do rubro-negro: desse jeito vão terminar com dez.

Tão logo apitei o início do segundo tempo, o Flamengo foi para cima do Fluminense como uma avalanche que desce rasgando uma montanha andina. É pressão total rubro-negra. Bola alçada na área, típico chuveirinho, e aí... ihhh, cortou com a mão? Juro que não vi. Os atletas do Flamengo me cercam. A torcida rubro-negra desrespeita até a minha décima-quinta geração materna. Não solto uma palavra, apenas faço o movimento de negação com a cabeça. Sobrou um cartão amarelo por reclamação. Quando vou anotar o número, vejo que é o outro zagueiro. "Isso não vai acabar bem", penso de mim para mim mesmo.

O jogo segue ríspido, mas quatro jogadores do Fla sempre tiram o pé das divididas. Coincidência, são os quatro que têm cartão amarelo. Será que é medo de ser expulso? A bola rola, ataque do Mengão pela direita, e opa... precisava disso? Minha nossa, que tesoura, meu lateral-esquerdo! Sou obrigado a advertir o primeiro atleta tricolor com o cartão amarelo. A massa rubro-negra vaia, queria a expulsão. Quanto exagero...

O Flamengo começa a sentir o cansaço, parece até que está jogando com um a menos. O Tricolor toca a bola inteligentemente, faz o tempo passar. Uma bola dividida sai pela linha lateral, e o atleta rubro-negro, apressado, já a pega pra fazer o arremesso. Apito e chego berrando: "Não, não, é bola nos... é bola do Fluminense!". O abusado jogador atira a bola no chão com força, com raiva, balbuciando uns palavrões: amarelo nele.

O treinador interino do Flamengo resolve que é hora de partir para o tudo ou nada, tira um dos zagueiros pendurados e põe um atacante. A área tricolor fica mais congestionada que a rua Pinheiro Machado. Os flamenguistas reclamam de dois pênaltis, mas o agarra-agarra existe, o juiz não pode marcar, senão haveria 257 penalidades por partida. Os contra-ataques tricolores são perigosos, esses moleques correm uma barbaridade. Mas como perdem gols... foram umas quatro chances claras ao longo do segundo tempo.

A segunda etapa até que passou rápido: o cronômetro já indica 44. Sinalizo para o quarto árbitro: dois minutos de acréscimo. Mais vaia da torcida do Flamengo. Penso: "poderia acrescentar mais meia-hora que esse time não vai empatar".

O rubro-negro resolve utilizar o chuveirinho novamente, para o último ataque. O goleiro tricolor sai atrasado, ai meu Deus!, o atacante vai chegar antes na bola, que desespero!, a bola espirra, e alguém chuta para as redes. Um ensurdecedor urro de gol ecoa pelo cimento sagrado do Maracanã. Quase ninguém me ouviu apitando a falta do ataque.

Pouco depois, pedi a bola, e apitei o final do jogo no Maracanã. Jogadores de ambos os times me cumprimentam. Olho para as arquibancadas, e vejo as lindíssimas bandeiras tricolores ao vento, festejando, celebrando mais uma épica vitória do Fluminense. Não chorei por pouco, por muito pouco.

Mas gostei mesmo foi das resenhas da imprensa no dia seguinte. Pouquíssimas citaram a arbitragem, bom sinal, bom sinal! Só mesmo o Remaupra, do Globo, é que esculhambou minha atuação. Mas faz parte, todo mundo sabe que ele é um torcedor fanático do Flamengo, que não consegue ser imparcial. Ele evidentemente colocaria a culpa pela derrota rubro-negra na arbitragem.

Mas voltemos à gloriosa noite em que eu apitei o Fla-Flu. Quando cheguei em casa e desabei na cama, a cabeça encostada no travesseiro, um sentimento me invadiu a alma. Tenho certeza, era a sensação do dever cumprido.

PC

24 comentários:

  1. Melhor texto que vc já escreveu!!!

    Um dos melhores que já li em minha vida, se não o melhor!

    Ri muito!!! Ri horrores!!!

    Déjà vu invertido puro!!!

    10! 10! 10! 10! Com todas as menções honrosas!

    ResponderExcluir
  2. Mais uma vez espetacular, PC!

    Parabéns!!!

    ResponderExcluir
  3. Matou a pau PC... Matou a pau...

    ResponderExcluir
  4. Muito Bom!!!
    Há se todos os juízes fossem assim...

    ResponderExcluir
  5. Seu texto é poético e insano ao mesmo tempo, PC. Poético, porque narra com rara beleza espetáculo que é o Fla-Flu, e insano, porque um árbitro tricolor, que beneficie nosso time é algo sobrenatural, somente em sonhos.

    Parabéns pelo estilo sarcástico. Vc conseguiu sintetizar, numa improvável inversão de situações, como pensa um roubador rubro-negro.

    Abs e ST.

    ResponderExcluir
  6. Dei gargalhadas com as garfadas em cima do império do mal !!!
    Pena ser um sonho...
    Parabéns PC !

    ResponderExcluir
  7. Não demora e termina escrevendo para algum jornal, com direito a coluna semanal e tudo! Parabéns, PC! Texto e criatividade 10! Leandro

    ResponderExcluir
  8. Ideia espetacular a sua, cara. Parabéns!

    É assim que a coisa funciona.

    ResponderExcluir
  9. Amigo,

    ESPETACULAR!!!! Em sua narrativa com tom sarcástico/irônico mostrou tudo que se passa na cabeça dos árbitros mulambos. Bastante sutil a alfinetada. ADOREI!!!!

    Como o amigo acima disse, não demorará para alguém te achar e você virar colunista de algum jornal!

    ResponderExcluir
  10. Genial, meu amigo. A @eletrosheep já tinha me indicado seu site. Este texto está fantástico. E hoje vamos a vitória!

    Saudações Tricolores

    ResponderExcluir
  11. Marcelo de Lima Henrique na versão tricolor por PC Filho. PC sarcástico. Taí, gostei!

    ResponderExcluir
  12. Parabéns belo texto...Muitos juizes mulambos concerteza ja se sentiram assim..abraços ST
    OBs: Continue escrevendo.

    ResponderExcluir
  13. ótimo texto, enfim garfamos eles?

    ResponderExcluir
  14. Espetacular. Mas se Deus quiser, hoje vai ser 3x0 mesmo com a ROBALHEIRA do Marcelo de Lima Henrique.

    ResponderExcluir
  15. Alguém ameaçou o filho dele...

    Roubou pouco, tava muito acanhado hoje. Aí já viu, vitória do Flu.

    ResponderExcluir
  16. Comentários no Pavilhão Tricolor:

    1 Quarta, 26 Maio 2010 00:52 Diego Bachini Lima
    Remaupra... Gênial. Muito bom o texto... Espero um Fla Flu diferente dos últimos...

    2 Quarta, 26 Maio 2010 01:38 Marcio Palma
    Parabéns pelo jogo PC. Grande arbitragem! Minha única crítica é pela ausência de cartão vermelho para aquele anão que joga na lateral esquerda do frabajara. O sujeito chato, chorava e reclamava de tudo. Merecia um cartão vermelho sim. Não ligue para o pseudo jornalista R.M.Pardo. O nome dele mesmo já diz, é jornalismo marrom. Parabéns continue assim, sempre justo e imparcial.
    Um dia espero apitar um clássico como o Fluminense e frabajara.
    Abraços,
    Marcio Gesteira Palma

    3 Quarta, 26 Maio 2010 07:09 Marcelo Gonçalves Santos
    Belíssimo!! Espero q seja assim!!

    4 Quarta, 26 Maio 2010 08:24 Leonardo Félix
    rsrsrsrs...Muito bom!!!!
    Arbitragem irretocável. Esse juiz é meu ídolo.
    Hoje é 2x1 pro FLUZÃO.

    5 Quarta, 26 Maio 2010 08:43 Leonardo Félix
    Pra ficar perfeito só faltava escalar esse árbitro pra apitar os próximos seis fla x FLU's.
    S.T

    6 Quarta, 26 Maio 2010 10:31 romao
    Infelizmente esse será o cenário de hoje, mas ao contrário.

    De fato mostra que juiz nem precisa dar pénalti para ganhar um jogo.

    ResponderExcluir
  17. 7 Quarta, 26 Maio 2010 11:34 Leo_20
    Marcelo Lima Henrique é a versão Urubulesca no nosso PC ???

    Tamufú !

    Eu sou é Tricolor!!!

    8 Quarta, 26 Maio 2010 15:28 Rogerio Schmidlin Guilhon Miranda
    Pc, que excelente post! Vi poucos posts mais divertidos que esse!

    Me animou horas antes da partida!

    um abraço

    9 Quarta, 26 Maio 2010 15:50 Bruno Leonardo
    Vamos falar um pouco do jogo, gente?

    10 Quarta, 26 Maio 2010 16:21 Will Cardoso
    Jogador que simula contusão para não jogar partida?

    Já vimos isso... Beto cachaça, Felipe chinelinho... ultimamente, víamos na Gávea, com o Imperador do Pó.

    É, Frederico... tua batata tá assando! Ou pára de andar com o povo do posto 8, ou saia do meu Flu! Não quero outro Renato Silva nas Laranjeiras, viu?

    Humpft!

    11 Quarta, 26 Maio 2010 17:48 Paulo Daniel
    Se vc mudar o personagem, PC, para o Marcelo de Lima Henrique, acredito piamente que o jogo é apitado assim mesmo, favoravelmente ao outro lado, lógico.

    12 Quarta, 26 Maio 2010 21:28 Rodrigo Souza Silva
    Caiu o último invicto !!! Marcelo de Lima Henrique não conseguiu influenciar no resultado dessa vez !!!

    ResponderExcluir
  18. Esse texto foi publicado também no Mulheres Sábias, onde recebeu um comentário:

    David disse...
    Huahuahuahuauh, Embora eu saiba que normalmente roubam para o Flamenguinho, adorei a matéria,pois como costumo dizer: "Todo castigo para flamenguista é pouco!" E tenho dito! rsrs.

    28 de maio de 2010 18:27

    ResponderExcluir
  19. Texto citado nos comentários em http://www.blablagol.com.br/baderna-8780

    ResponderExcluir
  20. MITO e posso dizer: ja BEBEU comigo :)

    ResponderExcluir
  21. CLAP CLAP CLAP
    Adorei, ri e me senti vingada, hahaha Parabéns!
    :)

    ResponderExcluir
  22. Que bom que gostaram. Esse texto deve ser o meu melhor. De vez em quando escrevo algo que realmente presta. :)

    ResponderExcluir
  23. Texto citado nos comentários em http://www.blablagol.com.br/pericles-bassols-apita-a-final-do-carioca-2012-16779

    ResponderExcluir
  24. Parabéns pelo excelente texto! A inversão de valores que sempre falo.

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.