terça-feira, 19 de outubro de 2010

O primeiro grande herói


Mas o Brasil tinha, sim, um herói sem esporas e sem penacho: - o velho Rui. Pequenino e cabeçudo como um anão de Velásquez, o grande baiano era um mito irresistível. Diziam: - "O sujeito mais inteligente do mundo". Sabia todas as línguas, até chinês. Nenhum brasileiro dizia o seu nome sem lhe acrescentar um ponto de exclamação. Lembro-me de uma vizinha, gorda como uma viúva machadiana, entrando na minha casa. Vinha da cidade e repetia, desvairada: - "Eu vi o Rui Barbosa! eu vi o Rui Barbosa!" E porque o vira, de passagem, por um momento fulminante, ela teve que se abanar e tomar água com açúcar. Eis o que eu queria dizer: - o meu herói podia ter sido Rui e foi Marcos de Mendonça.

Hoje, eu o vejo, de vez em quando. Passa na multidão em violento destaque. Ele sobressai, obrigatoriamente alto, que é, como o "Dedo de Deus". Foi o meu herói de calções e chuteiras. Enquanto a guerra povoava a Europa dos mortos em flor, Marcos de Mendonça enchia a minha infância.

Assim escreveu Nelson Rodrigues, a respeito do seu ídolo da infância: Marcos Carneiro de Mendonça, o goleiro do Fluminense de 1914 a 1922.

Marcos começou a carreira no Haddock Lobo, clube que acabou se fundindo ao América. E foi no clube rubro que Marcos começou a se destacar, conquistando o Campeonato Carioca de 1913, aos 18 anos de idade. Após uma briga com dirigentes do América, Marcos se transferiu para o Fluminense, junto com vários outros sócios e atletas. O Tricolor ganhava ali um dos maiores ídolos de sua história.

Em 21 de julho de 1914, a Seleção Brasileira fez a sua primeira partida, no campo do Fluminense, em comemoração do aniversário do clube. Na vitória sobre o Exeter City, por 2 a 0, o goleiro era Marcos: aos 19 anos, é até hoje o arqueiro mais jovem da história do escrete.

No Fluminense, Marcos se tornou lendário no período de 1917 a 1919, quando ajudou o clube a conquistar o tricampeonato carioca, que lhe valeu a Taça Colombo. Taça esta que foi levantada num Fla-Flu, no então-recém-construído Estádio de Laranjeiras, com a presença do Presidente da República, Epitácio Pessoa. Aos oito minutos de jogo, o juiz assinala pênalti para o Flamengo. Os momentos seguintes merecem ser narrados nas palavras de Nelson:

Ora, Marcos sabe que ele é tudo. Sim, é o deus do momento. Ele vai salvar ou perder o tricampeonato. Concentração. Serenidade intensa, calma apaixonada. Nunca sua visão foi tão límpida e tão exata. Tudo vai depender de um reflexo fulminante. Ademar Martins caminha para a bola. Jamais alguém foi tão olhado como o goleiro na hora do tiro de misericórdia. Não existe mais ninguém no estádio. Nem o artilheiro da falta. Nem o juiz, que a marcou. O próprio Presidente da República tornou-se, de repente, secundário, nulo. É o Chefe da Nação, mas o pênalti fez o estadista um pobre diabo.

A própria paisagem cessa de existir. Foi disparada a bola. E Marcos defende, como se diz hoje, parcialmente. Mas "defender parcialmente" um pênalti é um milagre. Mas antes do tiro e da defesa, Marcos pensa: - "Se eu defender tenho que mandar a bola para os lados". Ademar Martins olha, apavorado. Já não entendera a marcação do pênalti e muito menos a defesa de Marcos. A um milímetro da vitória, subitamente a perdia. Na tribuna de honra, o olhar de D. Guilhermina Guinle tem uma doçura mais viva.

Mas continua o perigo. Nova bomba, à queima-roupa. Reflexo prodigioso de Marcos. O Presidente da República tem um espanto de menino. Não entende que o mesmo pênalti seja desdobrado em três. Marcos defende a primeira vez, a segunda vez. E vem uma terceira bomba, mais vingativa, mais cruel do que as outras. Desta vez, ele se agarra e se abraça à bola como a um fado. Três defesas rigorosamente impossíveis.

O tricampeonato se confirmaria nos minutos seguintes, com uma bela vitória tricolor por 4 a 0, gols de Welfare, Machado (2) e Bacchi. E Marcos consagrava-se como primeiro grande herói tricolor.

Pela Seleção Brasileira, Marcos conquistou três títulos: a Copa Roca de 1914, e os Sul-Americanos de 1919 e 1922. Após encerrar a carreira, trabalhou como historiador, sendo também bastante respeitado por sua obra intelectual. Foi presidente do Fluminense, e dos vitoriosos: bicampeão carioca em 1940 e 1941 (encerrando um fantástico período de cinco conquistas em seis anos).

Casado com a poetisa Ana Amélia, teve uma filha: Bárbara Heliodora, crítica teatral respeitadíssima. Marcos faleceu em 19 de outubro de 1988, portanto há exatos 22 anos. A ele dedico esta humilde homenagem.

PC

6 comentários:

  1. E ai PC, blz.
    que saudades do Paulo Victor heimmm????
    Mas que fase dos arqueiros tricolores. O pior é que o mercado não anda lá essas coisas, ta difícil de se achar bons goleiros hoje.

    BLOG DO CLEBER SOARES
    www.clebersoares.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Bela e merecida homenagem, PC!
    Até pelo momento de nossos goleiros, muito oportuna!
    Grande abraço,
    Leandro

    ResponderExcluir
  3. Cleber, saudades da grande escola de goleiros que já foi o Fluminense.

    Antes ainda de Marcos de Mendonça, tínhamos o inglês Waterman. Depois de Marcos, tivemos Batatais.

    Depois de Batatais, Castilho. (e na reserva, Veludo, que também era convocado para a Seleção - sim, o reserva do Fluminense era melhor que todos os outros titulares)

    Depois de Castilho e Veludo, tivemos Félix, o goleiro do tri no México.

    Depois de Félix, tivemos Paulo Victor, que sofria a incrível média de 0,8 gols por jogo.

    Depois de Paulo Victor, tá difícil de achar um goleiro em Laranjeiras!

    ResponderExcluir
  4. Esse lance das 3 defesas deve ter sido espetacular.

    ResponderExcluir
  5. Eu de vez em quando sonho com esse lance das três defesas, desde o dia em que li esse trecho do Nelson Rodrigues. Deve ter sido espetacular.

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.