quarta-feira, 30 de junho de 2010

História - Espanha x Paraguai

Em 2002, o Paraguai jogou de laranja contra a Espanha!

Amigos, Espanha e Paraguai já se enfrentaram três vezes ao longo da história, com dois empates e uma vitória espanhola. Os dois primeiros jogos foram em Copas do Mundo, ambos válidos pela fase de grupos. Em 1998, na França, houve empate em 0 a 0. Em 2002, vitória espanhola por 3 a 1, de virada (gol contra de Puyol para os paraguaios, e dois gols de Morientes e um de Hierro para os espanhóis). Depois, ainda em 2002, as seleções se enfrentaram em um amistoso em Logroño, na Espanha, novamente empatando em 0 a 0.

Eis as três partidas da história do confronto:
19/06/1998 - Espanha 0 x 0 Paraguai - Geoffroy-Guichard (Saint-Étienne, França)
07/06/2002 - Espanha 3 x 1 Paraguai - Jeonju Castle (Jeonju, Coréia do Sul)
16/10/2002 - Espanha 0 x 0 Paraguai - Municipal Las Gaunas (Logroño, Espanha)

PC

[fonte: FIFA]

História - Alemanha x Argentina


Amigos, no sábado Alemanha e Argentina batalharão por uma vaga na semifinal da Copa do Mundo de 2010. Os dois gigantes do futebol mundial, somando cinco taças, farão um dos duelos mais aguardados do ano, no Green Point, na Cidade do Cabo.

Ao longo da história, alemães e argentinos já se enfrentaram 18 vezes, com 8 vitórias da Argentina, 5 empates, e 5 triunfos da Alemanha. Ao todo foram assinalados 48 gols, sendo 25 argentinos e 23 alemães.

Cinco dos duelos valeram por Copas do Mundo. Em 1958, na Suécia, a Alemanha Ocidental venceu por 3 a 1, de virada. A Argentina, vestida com camisas amarelas do IFK Malmö, clube local, abriu o placar com Corbatta, mas a Alemanha Ocidental virou com dois gols de Rahn e um de Seeler. A foto que ilustra esta postagem é deste jogo: mostra os capitães Fritz Walter e Pedro Dellacha se cumprimentando.

Em 1966, na Copa da Inglaterra, houve empate sem gols. Vinte anos depois, no México, Alemanha Ocidental e Argentina decidiram o Mundial. Com gols de Brown e Valdano, os argentinos abriram 2 a 0. Os alemães empataram graças aos tentos de Rummenigge e Völler. Mas aos 38 do segundo tempo Burruchaga marcou o gol do bi argentino.

Em 1990, na Itália, novamente a decisão da Copa do Mundo foi entre Argentina e Alemanha Ocidental. Andreas Brehme, de pênalti, aos 40 do segundo tempo, marcou o gol do tricampeonato alemão.

Em 2006, na Alemanha, os dois gigantes voltaram a se enfrentar, no Estádio Olímpico de Berlim. A Argentina abriu o placar com Ayala, a Alemanha empatou com Klose, e a partida foi para os pênaltis. Neuville, Ballack, Podolski e Borowski converteram para a Alemanha. Cruz e Rodríguez converteram para a Argentina, mas Lehmann defendeu as cobranças de Ayala e Cambiasso. A vitória por 4 a 2 nas cobranças levou a Alemanha à semifinal.

Confiram a lista completa de confrontos entre a Alemanha e a Argentina ao longo da história:
08/06/1958 - Argentina 1 x 3 Alemanha Oc. - Malmö FF (Malmö, Suécia)
16/07/1966 - Alemanha Oc. 0 x 0 Argentina - Villa Park (Birmingham, Inglaterra)
14/02/1973 - Alemanha Oc. 2 x 3 Argentina - Olympiastadion (München, Alemanha Oc.)
12/09/1979 - Alemanha Oc. 2 x 1 Argentina - Olympiastadion (Berlim, Alemanha Oc.)
01/01/1981 - Argentina 2 x 1 Alemanha Oc. - Estádio Centenário (Montevideo, Uruguai)
24/03/1982 - Argentina 1 x 1 Alemanha Oc. - Monumental de Núñez (Buenos Aires, Argentina)
12/09/1984 - Alemanha Oc. 1 x 3 Argentina - Rheinstadion (Düsseldorf, Alemanha Oc.)
29/06/1986 - Argentina 3 x 2 Alemanha Oc. - Azteca (Cidade do México)
16/12/1987 - Argentina 1 x 0 Alemanha Oc. - José Amalfitani (Buenos Aires, Argentina)
02/04/1988 - Alemanha Oc. 1 x 0 Argentina - Olympiastadion (Berlim, Alemanha Oc.)
08/07/1990 - Alemanha Oc. 1 x 0 Argentina - Stadio Olimpico (Roma, Itália)
15/12/1993 - Argentina 2 x 1 Alemanha - Orange Bowl (Miami, EUA)
17/04/2002 - Alemanha 0 x 1 Argentina - Gottlieb-Daimler-Stadion (Stuttgart, Alemanha)
09/02/2005 - Alemanha 2 x 2 Argentina - Rheinstadion/LTU Arena (Düsseldorf, Alemanha)
21/06/2005 - Alemanha 2 x 2 Argentina - Frankenstadion (Nürnberg, Alemanha)
30/06/2006 - Alemanha 1 x 1 Argentina [PK 4x2] - Olympiastadion (Berlim, Alemanha)
03/03/2010 - Alemanha 0 x 1 Argentina - Allianz Arena (München, Alemanha)

Houve também dois jogos entre a Argentina e a Alemanha Oriental, não considerados normalmente nas estatísticas da Alemanha atual:
03/07/1974 - Alemanha Or. 1 x 1 Argentina - Parkstadion (Gelsenkirchen, Alemanha Oc.)
12/07/1977 - Argentina 2 x 0 Alemanha Or. - La Bombonera (Buenos Aires, Argentina)

PC

História - Gana x Uruguai

Amigos, Uruguai e Gana se enfrentam na próxima sexta-feira, 2 de julho, no Soccer City (em Johannesburg), por uma vaga na semifinal da Copa do Mundo.

As seleções principais dos dois países nunca se enfrentaram. Ocorreram apenas partidas entre os selecionados juvenis.

Copa do Mundo Sub-20 (3 jogos):
06/03/1993 - Uruguai 1 x 1 Gana - Brisbane Stadium (Brisbane, Austrália)
02/07/1997 - Uruguai 3 x 2 Gana - Shah Alam (Kuala Lumpur, Malásia)
02/10/2009 - Uruguai 2 x 2 Gana - Ismailia Stadium (Ismailia, Egito)

Copa do Mundo Sub-17 (2 jogos):
20/08/1991 - Gana 2 x 0 Uruguai - Stadio Armando Picchi (Livorno, Itália)
20/11/1999 - Gana 3 x 2 Uruguai - McLean Park (Napier, Nova Zelândia)

PC

História - Brasil x Holanda

Romário comemora seu gol em 1994!

Amigos, nesta sexta-feira Brasil e Holanda se enfrentarão no Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth, por uma vaga nas semifinais da Copa do Mundo de 2010. O duelo de gigantes do futebol internacional, que já proporcionou três partidas épicas (1974, 1994 e 1998), tem tudo para ser o grande jogo do Mundial.

Na Copa de 1974, a Laranja Mecânica de Johan Cruijff e companhia eliminou a Seleção Brasileira com uma convincente vitória por 2 a 0, gols de Neeskens e do próprio Cruijff. A Holanda terminaria vice-campeã, perdendo a decisão para a Alemanha Ocidental.

No Mundial de 1994, o Brasil deu o troco, em uma inesquecível partida no Cotton Bowl, em Dallas. A Seleção abriu 2 a 0, gols de Romário e Bebeto, mas sofreu o empate, gols de Bergkamp e Winter. E então surgiu a estrela de Branco, lateral-esquerdo do Fluminense, que só entrara por causa da expulsão de Leonardo no jogo anterior. Branco cavou uma falta frontal, e ele próprio cobrou com perfeição. Era a bomba de Dallas mandando a Holanda de volta pra casa!

Em 1998, novo encontro eletrizante entre Brasil e Holanda, dessa vez nas semifinais, no Vélodrome de Marselha. Ronaldo abriu o placar para o Brasil, mas Kluivert empatou para a Holanda. Após uma prorrogação emocionante (valia a regra do gol de ouro), o jogo foi para os pênaltis. E então brilhou a estrela do goleiro brasileiro Taffarel, que defendeu duas cobranças, classificando a Seleção para mais uma final.

No total, brasileiros e holandeses se enfrentaram 9 vezes com suas seleções principais. Foram 3 vitórias do Brasil, 4 empates, e 2 triunfos da Holanda. Ao todo, a Seleção assinalou 14 gols, contra 13 tentos holandeses. Confiram a lista completa de partidas:
02/05/1963 - Holanda 1 x 0 Brasil - Olympisch Stadion (Amsterdam, Holanda)
03/07/1974 - Holanda 2 x 0 Brasil - Westfalenstadion (Dortmund, Alemanha Oc.)
20/12/1989 - Holanda 0 x 1 Brasil - Stadion Feijenoord (Rotterdam, Holanda)
31/08/1996 - Holanda 2 x 2 Brasil - Amsterdam Arena (Amsterdam, Holanda)
07/07/1998 - Brasil 1 x 1 Holanda [PK 4x2] - Vélodrome (Marseille, França)
05/06/1999 - Brasil 2 x 2 Holanda - Fonte Nova (Salvador, Brasil)
08/06/1999 - Brasil 3 x 1 Holanda - Serra Dourada (Goiânia, Brasil)
09/10/1999 - Holanda 2 x 2 Brasil - Amsterdam Arena (Amsterdam, Holanda)

Houve também um confronto entre as seleções olímpicas, nos Jogos de Helsique em 1952, com vitória brasileira:
16/07/1952 - Brasil 5 x 1 Holanda - Turku-stadion (Turku, Finlândia)

Vejam os artilheiros da história do confronto:
- Giovanni (BRA, 2) [1996, 1999]
- Amoroso (BRA, 2) [1999]
- Dennis Bergkamp (HOL, 2) [1994, 1999]
- Patrick Kluivert (HOL, 2) [1998, 1999]
- Larry (BRA, 2) [sel. olímpica, 1952]
- Careca (BRA, 1) [1989]
- Bebeto (BRA, 1) [1994]
- Branco (BRA, 1) [1994]
- Romário (BRA, 1) [1994]
- Gonçalves (BRA, 1) [1996]
- Ronaldo (BRA, 1) [1998]
- Leonardo (BRA, 1) [1999]
- Cafu (BRA, 1) [1999]
- Roberto Carlos (BRA, 1) [1999]
- Peter Petersen (HOL, 1) [1963]
- Johan Cruijff (HOL, 1) [1974]
- Johan Neeskens (HOL, 1) [1974]
- Aron Winter (HOL, 1) [1994]
- Ronald de Boer (HOL, 1) [1996]
- Jean-Paul van Gastel (HOL, 1) [1996]
- Peter van Vossen (HOL, 1) [1999]
- Pierre van Hooijdonk (HOL, 1) [1999]
- Boudewijn Zenden (HOL, 1) [1999]
- Humberto Tozzi (BRA, 1) [sel. olímpica, 1952]
- Jansen (BRA, 1) [sel. olímpica, 1952]
- Vavá (BRA, 1) [sel. olímpica, 1952]
- Jan van Roessel (HOL, 1) [sel. olímpica, 1952]
- Frank de Boer (HOL, 1 contra) [1999]

Como curiosidade, destaco também dois amistosos que a Seleção Brasileira realizou contra clubes holandeses:
03/05/1963 - Brasil 1 x 0 PSV Eindhoven/HOL - Philips Stadion (Eindhoven, Holanda)
21/06/1979 - Brasil 5 x 0 Ajax/HOL - Morumbi (São Paulo, Brasil)

Fontes:
- Enciclopédia da Seleção (Ivan Soter).
- Revista Placar número 1094 (maio de 1994).
- FIFA.

terça-feira, 29 de junho de 2010

A Seleção foi grande


Quando, no início da peleja, o Chile dominava, tinha mais posse de bola e atacava mais, baixou em mim a certeza da vitória da Seleção. Explico: no jogo anterior, Portugal pouco agredia, satisfeito que estava com o empate, e com isso a Seleção não acordou. Acabamos empatando em 0 a 0. Já o Chile resolveu atacar, e tentar dominar a melhor equipe do planeta. A capitulação chilena era óbvia, mera questão de tempo. Isto porque atacar a Seleção significa acordar a Seleção. Foi isso que o escrete chileno fez: acordar as feras de Dunga.

Examinemos a fera Juan: nosso zagueiro foi um leão em campo. Na defesa, não deixou passar nem pensamento. No ataque, fez o gol que abriu o caminho da vitória, de cabeça, no cruzamento de Maicon. E quanta garra demonstrou, em todos os lances! Tenho certeza: os atacantes chilenos ainda não conseguiram dormir. Fecham o olho e veem Juan, camisa amarela, cara fechada, a destruir suas jogadas. Anuncio já no segundo parágrafo: Juan é o meu personagem da partida.

Ao lado de Juan na defesa, está Lúcio, o capitão, o líder. Amigos, o que caracteriza o futuro campeão, entre tantos, entre todos, não é a classe, não é o futebol: é a sorte. Por exemplo, a Copa de 1954: o melhor futebol foi o da Hungria, todo mundo sabe disso. Mas na final quem teve sorte foi a Alemanha, e foi a Alemanha a campeã. Vocês conhecem a história de Lúcio? Ele jogava num minúsculo time de Brasília, o Guará. Quem olhava para os onze daquele time, sentenciava: estão todos destinados ao fracasso. O sorteio da Copa do Brasil daquele ano colocou o Guará diante do Internacional de Porto Alegre, num daqueles jogos de primeira fase. O time gaúcho enfiou uma daquelas goleadas impiedosas: não sei se foram sete, dez ou doze gols. Mas Lúcio teve boa atuação, nos olhos dos gaúchos, que resolveram contratar o jovem. E foi aí que começou a deslanchar a carreira do capitão. Hoje, Lúcio é um dos melhores zagueiros do mundo, sem sombra de dúvida. Por este episódio, está demonstrada a infinita sorte de Lúcio. E é essa sorte que o fará levantar a Copa do Mundo, na condição de capitão da Seleção. Bellini, Mauro, Carlos Alberto, Dunga e Cafu já sabem: Lúcio é seu legítimo sucessor.

Outra boa atuação diante do Chile foi a de Gilberto Silva, muito seguro na proteção à defesa. Ramires entrou no lugar de Felipe Melo, e também foi esplêndido. Com Juan, Lúcio, Gilberto Silva e Ramires, o Brasil está muito bem representado na defesa. São quatro titãs, dispostos a morrer pela camisa amarela. Sei que temos Júlio César, o melhor goleiro do mundo hoje. Mas, com esses quatro defensores, arrisco-me a dizer que sequer precisamos de um arqueiro a guarnecer as traves.

O ataque, claro, também esteve bem. Depois do gol de Juan, seguiram-se os tentos de Luís Fabiano e Robinho. Os dois atacantes são perigo constante às defesas inimigas: não há como pará-los, simplesmente não há como. Ainda mais quando estão acompanhados de Kaká, o maestro regente da Seleção. Tanto é que os três juntos venceram todas as partidas disputadas pela Seleção. Não há um empatezinho ou uma derrotazinha sequer para contar a história. O trio Kaká-Robinho-Fabuloso só conhece triunfos, só conhece vitórias. E invicto há de continuar.

PC

domingo, 27 de junho de 2010

Larrionda e Rosetti, os personagens do domingo


Amigos, hoje podemos dizer: a Copa do Mundo finalmente está completa. Até ontem, faltava a aparição de um personagem importante, decisivo, folclórico, polêmico. Aquele personagem que não viu o passinho de Nilton Santos em 1962... Aquele personagem que viu a bola de Hurst entrar em 1966... Aquele personagem que não viu a mão de Maradona em 1986... Aquele personagem que não viu a mão de Henry nas eliminatórias... Faltava ele, amigos, faltava ele: o juiz-ladrão. Não falta mais. Hoje, tivemos dose dupla: primeiro o uruguaio Larrionda garfou a Inglaterra; depois o italiano Rosetti garfou o México. E foram ambos decisivos nas classificações, Larrionda para a Alemanha e Rosetti para a Argentina.

Na batalha Alemanha x Inglaterra, os alemães venciam por 2 a 1, com amplo domínio da peleja. Jogando completa, como hoje, a Alemanha está assustando, pelo futebol bonito aliado à eficiência de sempre. A vitória alemã era justa, mas acabou manchada quando o chute de Lampard beijou o travessão e quicou dentro - muito dentro - do gol. O bandeirinha não viu, ou fez que não viu, e o juiz Larrionda também. A curiosidade é que o lance foi muito parecido com o da final de 1966. Naquele lance, a bola não entrou e o juiz validou o gol; hoje, a bola entrou e o juiz não validou o gol. Uma vingança quarenta e quatro anos depois, na mesmíssima moeda. Os súditos da Rainha tiveram que engolir...

Em 1966, não entrou; em 2010, entrou!

A goleada alemã se construiu após o lance fatídico, com a vantagem proporcionada por poder jogar no contra-ataque. Müller marcou dois gols, mas foi Larrionda o melhor jogador alemão da partida. E por isso Larrionda é o meu primeiro personagem do domingo.

No jogo Argentina x México, quem esperava um México acuado se surpreendeu com o início da partida. Os mexicanos lançaram-se todos para o ataque, como se estivessem enfrentando a Venezuela, e não a Argentina. Os astecas só não abriram o placar porque a Argentina teve sorte: foram duas bolas na trave em dez minutos. A partida transcorria muito bem, com amplo domínio do México, até que o juiz Rosetti entrasse em ação a favor da Argentina. Em jogada de Messi, Tévez muito impedido abriu o placar, de cabeça. Escrevi "muito impedido", mas preciso ampliar: escandalosamente impedido. Não foi um simples impedimento, foi uma banheira de Cleópatra. Um lance claríssimo, que o estádio inteiro viu. Até um paralelepípedo, se estivesse presente no Soccer City, bradaria: "impedimento".

No entanto, dois cidadãos no planeta Terra não viram o impedimento: o auxiliar Ayroldi e o juiz Rosetti. Incrivelmente validaram o gol. Mas o pior estava por vir: o telão do estádio exibiu o tira-teima, mostrando a irregularidade. Os jogadores mexicanos, obviamente, apontaram para o telão, avisando à arbitragem sobre o equívoco. E então Rosetti e Ayroldi se reuniram para tomar a óbvia decisão de anular o lance. O assustador, o absurdo, o imponderável vem agora: mesmo alertados, os italianos resolveram validar o gol! E ali determinaram, no apito, a vitória argentina. Os mexicanos desestabilizaram-se psicologicamente dali em diante, e com razão. Convenhamos: uma coisa é ser prejudicado por um erro de arbitragem, outra coisa é ser roubado por um juiz consciente do roubo. Se isso ocorresse há algumas décadas, instalar-se-ia um sururu monumental no campo, e não haveria mais jogo. Na época do fair play, a batalha continuou. Apenas por formalidade, diga-se, porque depois daquilo era impossível outro resultado que não fosse a vitória argentina. E por ter garantido o triunfo dos hermanos, Rosetti é o meu segundo personagem do domingo.

Alguns defenderão o juiz Rosetti, dizendo que a arbitragem não pode ter ajuda eletrônica. Lembro a vocês que isto é hipocrisia. Em 2006, foi a TV que expulsou Zidane na final da Copa. Ano passado, foi a TV que deu um pênalti para o Brasil contra o Egito na Copa das Confederações. Manter uma decisão incorreta, que prejudica o espetáculo, por causa de uma recomendação estúpida, é não gostar de futebol. Futebol se decide dentro das regras. Quando as regras são rasgadas, não é mais futebol. A Argentina, que já venceu dois Mundiais suspeitos (78 e 86), foi novamente beneficiada, desta vez com um agravante: o juiz sabia que estava errando, e preferiu insistir no erro. Uma pena.

PC

Vitórias de Uruguai e Gana

Amigos, o mata-mata começou: chegou a fase decisiva da Copa do Mundo. Decisiva e cruel: um único errinho, e quatro anos de trabalho vão para o ralo do esquecimento.

Por exemplo, os Estados Unidos. Que bonita história construiu a seleção norte-americana nos últimos anos. Ano passado, na Copa das Confederações, paparam o poderoso escrete espanhol, que antes sustentava uma invencibilidade notória. E foi por muito pouco que não venceram também a própria Seleção Brasileira (ganhamos por 3 a 2, de virada). Veio o Mundial, e os americanos continuaram fazendo história: a classificação aos 45 minutos do segundo tempo do último jogo foi inesquecível, épica. O feliz choro de Donovan é uma das imagens mais marcantes desta Copa. Mas ainda não foi dessa vez que os estadunidenses puderam celebrar. Gana apareceu novamente no caminho norte-americano, e adiou o sonho por mais quatro anos.

Gana merece destaque. O time alia a força do futebol africano à aplicação tática dos europeus. Mesmo sem Essien, a estrela machucada, a equipe chega às quartas-de-final. A vitória sobre os Estados Unidos traduziu-se numa mistura de sentimentos. À euforia do primeiro gol, seguiu-se a frustração do gol de empate. Depois, veio a angústia pelo tempo que passava. Com a prorrogação, veio o êxtase do segundo gol. Em seguida, cada ganês sentiu na pele a agonia de esperar meia-hora pelo apito final. Por fim, vieram o alívio pelo triunfo e o orgulho por representarem a África. Amanhã, chega a preocupação com o próximo adversário.

Próximo adversário que será o Uruguai. Os nossos vizinhos venceram a Coréia do Sul por 2 a 1, com dois gols do bom atacante Suárez. A Celeste Olímpica, que um dia já silenciou o Maracanã, parece voltar a viver uma boa fase, após algumas décadas de ocaso. Os uruguaios não chegavam tão longe num Mundial desde 1970, quando caíram na semifinal, para a Seleção Brasileira tricampeã. Será que a semifinal Brasil x Uruguai se repetirá quarenta anos depois?

Antes, vamos pensar no Chile. Não será fácil o confronto com a equipe do técnico Bielsa, na segunda-feira, no lendário estádio Ellis Park. Mas a Seleção Brasileira é sempre a Seleção Brasileira, uma camisa amarela que pesa mais que todas as outras juntas. Tenho o sentimento de mais um triunfo.

PC

sábado, 26 de junho de 2010

História - Espanha x Portugal


Cristiano Ronaldo x Xavi!


Espanha e Portugal se enfrentaram pelas oitavas-de-final da Copa do Mundo de 2010, na Cidade do Cabo, com triunfo espanhol, gol de David Villa.

Até hoje, espanhóis e portugueses já jogaram entre si 38 vezes, com 17 vitórias da Espanha, 13 empates e 8 vitórias de Portugal. Ao todo foram assinalados 75 gols espanhóis contra 44 tentos portugueses.

O primeiro confronto ocorreu em 1921, e os primórdios foram marcados pelo amplo predomínio espanhol. A primeira vitória portuguesa só viria a acontecer em 1937, por 2 a 1, em Vigo. Desde então, o retrospecto é bem equilibrado, com muitos empates.

Os jogos de 1934 e 1950 foram válidos pelas eliminatórias da Copa do Mundo. As partidas de 1984, 2004 e 2012 valeram por Eurocopas.

Confiram abaixo a lista completa de partidas:
18/12/1921 - Espanha 3 x 1 Portugal - Campo de O'Donnell (Madrid, Espanha)
17/12/1922 - Portugal 1 x 2 Espanha - Estádio do Lumiar (Lisboa, Portugal)
16/12/1923 - Espanha 3 x 0 Portugal - Estadio Reina Victoria (Sevilla, Espanha)
17/05/1925 - Portugal 0 x 2 Espanha - Estádio do Lumiar (Lisboa, Portugal)*
29/05/1927 - Espanha 2 x 0 Portugal - (Madrid, Espanha)**
08/01/1928 - Portugal 2 x 2 Espanha - Estádio do Lumiar (Lisboa, Portugal)*
17/03/1929 - Espanha 5 x 0 Portugal - Estadio de Heliópolis (Sevilla, Espanha)
30/11/1930 - Portugal 0 x 1 Espanha - Campo do Ameal (Porto, Portugal)*
02/04/1933 - Espanha 3 x 0 Portugal - Balaídos (Vigo, Espanha)
11/03/1934 - Espanha 9 x 0 Portugal - Estádio Chamartín (Madrid, Espanha)
18/03/1934 - Portugal 1 x 2 Espanha - Estádio do Lumiar (Lisboa, Portugal)
05/05/1935 - Portugal 3 x 3 Espanha - Estádio do Lumiar (Lisboa, Portugal)
28/11/1937 - Espanha 1 x 2 Portugal - (Vigo, Espanha)**
30/01/1938 - Portugal 1 x 0 Espanha - Campo das Salésias (Lisboa, Portugal)**
12/01/1941 - Portugal 2 x 2 Espanha - Campo das Salésias (Lisboa, Portugal)*
16/03/1941 - Espanha 5 x 1 Portugal - San Mamés (Bilbao, Espanha)
11/03/1945 - Portugal 2 x 2 Espanha - Estádio Nacional do Jamor (Oeiras, Portugal)
06/05/1945 - Espanha 4 x 2 Portugal - Riazor (La Coruña, Espanha)
26/01/1947 - Portugal 4 x 1 Espanha - Estádio Nacional do Jamor (Oeiras, Portugal)
21/03/1948 - Espanha 2 x 0 Portugal - Nuevo Chamartín (Madrid, Espanha)
20/03/1949 - Portugal 1 x 1 Espanha - Estádio Nacional do Jamor (Oeiras, Portugal)
02/04/1950 - Espanha 5 x 1 Portugal - Nuevo Chamartín (Madrid, Espanha)
09/04/1950 - Portugal 2 x 2 Espanha - Estádio Nacional do Jamor (Oeiras, Portugal)
03/06/1956 - Portugal 3 x 1 Espanha - Estádio Nacional do Jamor (Oeiras, Portugal)
13/04/1958 - Espanha 1 x 0 Portugal - Santiago Bernabéu (Madrid, Espanha)
15/11/1964 - Portugal 2 x 1 Espanha - Estádio das Antas (Porto, Portugal)
26/09/1979 - Espanha 1 x 1 Portugal - Balaídos (Vigo, Espanha)
20/06/1981 - Portugal 2 x 0 Espanha - Estádio das Antas (Porto, Portugal)
17/06/1984 - Portugal 1 x 1 Espanha - Vélodrome (Marseille, França)
16/01/1991 - Espanha 1 x 1 Portugal - Estadio Castalia (Castellón de la Plana, Espanha)
15/01/1992 - Portugal 0 x 0 Espanha - José Alves Vieira (Torres Novas, Portugal)
19/01/1994 - Espanha 2 x 2 Portugal - Balaídos (Vigo, Espanha)
13/02/2002 - Espanha 1 x 1 Portugal - Olímpico de Montjuic (Barcelona, Espanha)
06/09/2003 - Portugal 0 x 3 Espanha - D. Afonso Henriques (Guimarães, Portugal)
20/06/2004 - Portugal 1 x 0 Espanha - José Alvalade (Lisboa, Portugal)
29/06/2010 - Espanha 1 x 0 Portugal - Green Point (Cape Town, África do Sul)
17/11/2010 - Portugal 4 x 0 Espanha - Estádio da Luz (Lisboa, Portugal)
27/06/2012 - Portugal 0 x 0 Espanha [PK 2x4] - Donbass Arena (Donetsk, Ucrânia)

Observações:
* algumas fontes dão outras datas para os jogos: 15/05/1925, 10/01/1928, 25/11/1930, 22/01/1941.
** jogos não listados pelo site da FIFA.

PC

História - Japão x Paraguai


Amigos, nesta terça-feira Japão e Paraguai se enfrentam pelas oitavas-de-final da Copa do Mundo de 2010, no Estádio Loftus Versfeld, em Pretória.

Houve até hoje 6 jogos entre as seleções principais de Paraguai e Japão, com 2 vitórias sul-americanas, 3 empates e 1 triunfo asiático:
20/09/1995 - Japão 1 x 2 Paraguai - (Tóquio, Japão)
17/05/1998 - Japão 1 x 1 Paraguai - (Tóquio, Japão)
02/07/1999 - Paraguai 4 x 0 Japão - Defensores del Chaco (Asunción, Paraguai)
01/07/2001 - Japão 2 x 0 Paraguai - Sapporo Dome (Sapporo, Japão)
11/06/2003 - Japão 0 x 0 Paraguai - Saitama Stadium (Saitama, Japão)
27/05/2008 - Japão 0 x 0 Paraguai - Saitama Stadium (Saitama, Japão)

O jogo de 1999 foi válido pela Copa América, para a qual o Japão foi convidado.

As partidas de 1998, 2001, 2003 e 2008 foram válidas pela Copa Kirin (torneio amistoso que na década de 80 foi conquistado por Fluminense e Flamengo). O jogo de 1995 também foi um amistoso.

Aconteceu ainda uma partida entre as seleções olímpicas, válida pelos Jogos de Atenas, em 2004:
12/08/2004 - Paraguai 4 x 3 Japão - Kaftanzoglio Stadium (Thessaloniki, Grécia)

Jogadores de Paraguai e Japão em ação na partida de 2008, válida pela Copa Kirin.

PC

História - Brasil x Chile


Amigos, as seleções de Brasil e Chile se enfrentam novamente nesta segunda-feira, pelas oitavas-de-final da Copa do Mundo de 2010.

Já houve 68 jogos oficiais: 48 vitórias brasileiras, 13 empates, 7 vitórias chilenas, 159 gols do Brasil e 58 gols do Chile.

Houve também 19 jogos entre as seleções olímpicas: 13 vitórias do Brasil e 6 empates, com 39 gols brasileiros e 13 gols chilenos.

Em 1913, houve 4 jogos entre combinados dos países, com 2 vitórias dos combinados brasileiros, 2 vitórias dos combinados chilenos, 10 gols dos combinados brasileiros e 7 gols dos combinados chilenos.

Confiram a lista completa dos confrontos:
16/09/1913* - Combinado Carioca 2 x 1 Combinado Chileno - Campos Sales (Rio de Janeiro, Brasil)
23/09/1913* - Combinado Carioca 6 x 1 Combinado Chileno - Campos Sales (Rio de Janeiro, Brasil)
30/09/1913* - Combinado Brasileiro 1 x 2 Combinado Chileno - Parque Antártica (São Paulo, Brasil)
02/10/1913* - Combinado Brasileiro 1 x 3 Combinado Chileno - Parque Antártica (São Paulo, Brasil)
08/07/1916 - Brasil 1 x 1 Chile - Club Gimnasia y Esgrima (Buenos Aires, Argentina)
12/10/1917 - Brasil 5 x 0 Chile - Central Parque Pereira (Montevideo, Uruguai)
11/09/1920 - Chile 0 x 1 Brasil - Campo do Sporting Club (Valparaíso, Chile)
17/09/1922 - Brasil 1 x 1 Chile - Laranjeiras (Rio de Janeiro, Brasil)
03/01/1937 - Brasil 6 x 4 Chile - Gasómetro de Boedo (Buenos Aires, Argentina)
14/01/1942 - Brasil 6 x 1 Chile - Estádio Centenário (Montevideo, Uruguai)
28/02/1945 - Chile 0 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
03/02/1946 - Brasil 5 x 1 Chile - Gasómetro de Boedo (Buenos Aires, Argentina)
13/04/1949 - Brasil 2 x 1 Chile - Pacaembu (São Paulo, Brasil)
20/04/1952 - Chile 0 x 3 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
23/03/1953 - Brasil 3 x 2 Chile - Estádio Nacional (Lima, Peru)
28/02/1954 - Chile 0 x 2 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
14/03/1954 - Brasil 1 x 0 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
18/09/1955 - Brasil 1 x 1 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
20/09/1955 - Brasil 2 x 1 Chile - Pacaembu (São Paulo, Brasil)
24/01/1956 - Chile 4 x 1 Brasil - Estádio Centenário (Montevideo, Uruguai)
01/03/1956 - Brasil 2 x 1 Chile - Estádio Olímpico (Cidade do México)
13/03/1957 - Brasil 4 x 2 Chile - Estádio Nacional (Lima, Peru)
15/09/1957 - Chile 1 x 0 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
18/09/1957 - Chile 1 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
15/03/1959 - Brasil 3 x 0 Chile - Monumental de Núñez (Buenos Aires, Argentina)
17/09/1959 - Brasil 7 x 0 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
20/09/1959 - Brasil 1 x 0 Chile - Pacaembu (São Paulo, Brasil)
29/06/1960 - Brasil 4 x 0 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
07/05/1961 - Chile 1 x 2 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
11/05/1961 - Chile 0 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
25/01/1962** - Brasil 3 x 2 Chile - Estádio Nacional (Lima, Peru)
13/06/1962 - Brasil 4 x 2 Chile - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
30/04/1963** - Brasil 3 x 0 Chile - Parque São Jorge (São Paulo, Brasil)
11/05/1964** - Brasil 2 x 0 Chile - Estádio Nacional (Lima, Peru)
17/04/1966 - Chile 0 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
20/04/1966 - Chile 2 x 1 Brasil - Estádio Sausalito (Viña del Mar, Chile)
19/05/1966 - Brasil 1 x 0 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
19/09/1967 - Chile 0 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
27/03/1968** - Brasil 0 x 0 Chile - Estádio Atanásio Girardot (Medellín, Colômbia)
22/03/1970 - Brasil 5 x 0 Chile - Morumbi (São Paulo, Brasil)
26/03/1970 - Brasil 2 x 1 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
04/10/1970 - Chile 1 x 5 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
05/12/1971** - Brasil 1 x 0 Chile - Estádio Atanásio Girardot (Medellín, Colômbia)
27/01/1976** - Brasil 2 x 1 Chile - Arruda (Recife, Brasil)
03/02/1980** - Brasil 0 x 0 Chile - Estádio Romélio Rodriguez (Barranquilla, Colômbia)
24/06/1980 - Brasil 2 x 1 Chile - Mineirão (Belo Horizonte, Brasil)
14/03/1981 - Brasil 2 x 1 Chile - Estádio Santa Cruz (Ribeirão Preto, Brasil)
26/08/1981 - Chile 0 x 0 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
28/04/1983 - Brasil 3 x 2 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
28/07/1983 - Chile 0 x 0 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
21/02/1984** - Brasil 3 x 2 Chile - Estádio Modelo (Guayaquil, Equador)
21/05/1985 - Chile 2 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
08/06/1985 - Brasil 3 x 1 Chile - Beira-Rio (Porto Alegre, Brasil)
07/05/1986 - Brasil 1 x 1 Chile - Pinheirão (Curitiba, Brasil)
06/12/1986** - Chile 0 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
03/07/1987 - Chile 4 x 0 Brasil - Estádio Chateau Carreras (Córdoba, Argentina)
16/08/1987** - Brasil 0 x 0 Chile - Soccer and Sports Center (Indianápolis, EUA)
21/08/1987** - Brasil 2 x 0 Chile - Soccer and Sports Center (Indianápolis, EUA)
13/08/1989 - Chile 1 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
03/09/1989 - Brasil 1 x 0 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
17/10/1990 - Chile 0 x 0 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
08/11/1990 - Brasil 0 x 0 Chile - Mangueirão (Belém, Brasil)
21/07/1991 - Chile 0 x 2 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
21/06/1993 - Chile 3 x 2 Brasil - Estádio Alejandro Serrano Aguilar (Cuenca, Equador)
19/10/1994** - Chile 0 x 5 Brasil - Estádio Regional (Concepción, Chile)
15/03/1995** - Brasil 1 x 1 Chile - Estádio General San Martín (Tandil, Argentina)
02/04/1997 - Brasil 4 x 0 Chile - Mané Garrincha (Brasília, Brasil)
27/06/1998 - Brasil 4 x 1 Chile - Parc des Princes (Paris, França)
06/07/1999 - Brasil 1 x 0 Chile - Antonio Oddone Sarubbi (Ciudad del Este, Paraguai)
19/01/2000** - Brasil 1 x 1 Chile - Estádio do Café (Londrina, Brasil)
04/02/2000** - Brasil 3 x 1 Chile - Estádio do Café (Londrina, Brasil)
09/08/2000** - Chile 3 x 5 Brasil - Estádio Municipal (Ovalle, Chile)
12/08/2000** - Brasil 3 x 0 Chile - Estádio Orlando Scarpelli (Florianópolis, Brasil)
15/08/2000 - Chile 3 x 0 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
07/10/2001 - Brasil 2 x 0 Chile - Couto Pereira (Curitiba, Brasil)
15/01/2004** - Chile 1 x 1 Brasil - Estádio Regional (Concepción, Chile)
23/01/2004** - Chile 1 x 3 Brasil - Estádio Sausalito (Viña del Mar, Chile)
06/06/2004 - Chile 1 x 1 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
08/07/2004 - Brasil 1 x 0 Chile - Estádio Monumental (Arequipa, Peru)
04/09/2005 - Brasil 5 x 0 Chile - Mané Garrincha (Brasília, Brasil)
24/03/2007 - Brasil 4 x 0 Chile - Estádio Nya Ullevi (Götebörg, Suécia)
01/07/2007 - Brasil 3 x 0 Chile - Estádio Monumental (Maturín, Venezuela)
07/07/2007 - Chile 1 x 6 Brasil - Estádio Olímpico Luis Ramos (Puerto La Cruz, Venezuela)
07/09/2008 - Chile 0 x 3 Brasil - Estádio Nacional (Santiago, Chile)
09/09/2009 - Brasil 4 x 2 Chile - Pituaçu (Salvador, Brasil)
28/06/2010 - Brasil 3 x 0 Chile - Ellis Park (Johannesburg, África do Sul)
24/04/2013 - Brasil 2 x 2 Chile - Mineirão (Belo Horizonte, Brasil)
19/11/2013 - Brasil 2 x 1 Chile - Rogers Centre (Toronto, Canadá)

* Jogos do período pré-seleção, disputados por combinados locais. Não estão incluídos na contagem oficial.

** Jogos da Seleção Olímpica. Também não estão incluídos na contagem oficial.

Fontes:
[1] 85 anos de Seleção Brasileira (excelente pesquisa de Felipe Campbell).
[6] "Seleção Brasileira: 1914-2006", de Antonio Carlos Napoleão e Roberto Assaf.
[8] Súmulas no site da FIFA: [8.1], [8.2].

História - Eslováquia x Holanda


Nesta segunda-feira, 28/06, o Estádio Moses Mabhida, em Durban, receberá Holanda x Eslováquia, pelas oitavas-de-final da Copa do Mundo de 2010.

Até hoje, aconteceram nove partidas entre Holanda e Eslováquia (todas na época em que a Eslováquia fazia parte da Tchecoslováquia). Aconteceram seis vitórias eslovacas, um empate, e duas vitórias holandesas. Os eslovacos assinalaram ao todo 17 gols, contra 8 dos holandeses.

Confiram abaixo a lista completa com todos os jogos da história:
29/05/1932 - Holanda 1 x 2 Tchecoslováquia - Olympisch Stadion (Amsterdam, Holanda)
05/06/1938 - Tchecoslováquia 3 x 0 Holanda* - Cavée Verte (Le Havre, França)
30/10/1960 - Tchecoslováquia 4 x 0 Holanda - Sparta-stadion (Praga, Tchecoslováquia)
06/11/1966 - Holanda 1 x 2 Tchecoslováquia - Olympische Stadion (Amsterdam, Holanda)
16/04/1969 - Holanda 2 x 0 Tchecoslováquia - Stadion Feijenoord (Rotterdam, Holanda)
30/08/1972 - Tchecoslováquia 1 x 2 Holanda - Letna (Praga, Tchecoslováquia)
16/06/1976 - Tchecoslováquia 3 x 1 Holanda** - Dinamo-Stadion (Zagreb, Iugoslávia)
17/06/1980 - Holanda 1 x 1 Tchecoslováquia - San Siro (Milano, Itália)
10/09/1986 - Tchecoslováquia 1 x 0 Holanda - Stadion Evzena Rosickeho (Praga, Tchecoslováquia)
* na partida de 1938, válida pela Copa do Mundo, os três gols foram assinalados na prorrogação.
** a partida de 1976, semifinal da Eurocopa, terminou empatada em 1 x 1 no tempo normal. Na prorrogação, a Tchecoslováquia marcou duas vezes.

Houve ainda uma partida em que a Tchecoslováquia foi representada por uma equipe aspirante, não considerada na estatística:
18/04/1927 - Holanda 8 x 1 Tchecoslováquia (A) - Oude Stadion (Amsterdam, Holanda)

PC

[fontes: FIFA Voetbalstats]

História - Argentina x México


Neste domingo, Argentina e México jogarão no Soccer City, em Johannesburg, por uma vaga nas quartas-de-final da Copa do Mundo de 2010.

Até hoje, argentinos e mexicanos já se enfrentaram em 26 oportunidades. Foram 11 vitórias alvicelestes, 11 empates, e 4 triunfos astecas. Ao todo, a Argentina assinalou 38 gols, contra 25 do México.

Duas partidas foram válidas por Copas do Mundo. Em 1930, no Uruguai, vitória da Argentina por 6 a 3. Em 2006, na Alemanha, nova vitória da Argentina, na prorrogação.

Confiram a lista completa de jogos do confronto:
19/07/1930 - Argentina 6 x 3 México - Centenário (Montevideo, Uruguai)
13/03/1956 - México 0 x 0 Argentina - Olímpico Universitário (Cidade do México)
10/03/1960 - México 2 x 3 Argentina - Estádio Nacional (San Jose, Costa Rica)
17/03/1960 - México 0 x 2 Argentina - Estádio Nacional (San Jose, Costa Rica)
28/03/1962 - Argentina 1 x 0 México - Monumental de Núñez (Buenos Aires, Argentina)
22/08/1967 - México 2 x 1 Argentina - (Cidade do México)
06/02/1973 - México 2 x 0 Argentina - (Cidade do México)
31/08/1975 - México 1 x 1 Argentina - Estádio Azteca (Cidade do México)
18/09/1984 - México 1 x 1 Argentina - (Monterrey, México)
25/10/1984 - Argentina 1 x 1 México - (Buenos Aires, Argentina)*
14/11/1985 - México 1 x 1 Argentina - (Los Angeles, EUA)
17/11/1985 - México 1 x 1 Argentina - Estádio Cuauhtémoc (Puebla, México)
17/01/1990 - México 2 x 0 Argentina - (Los Angeles, EUA)
13/03/1991 - Argentina 0 x 0 México - (Buenos Aires, Argentina)
20/06/1993 - Argentina 1 x 1 México - George Capwell (Guayaquil, Equador)
04/07/1993 - Argentina 2 x 1 México - Isidro Romero Carbo (Guayaquil, Equador)
10/02/1999 - Argentina 1 x 0 México - Memorial Coliseum (Los Angeles, EUA)
09/06/1999 - México 2 x 2 Argentina - Soldier Field (Chicago, EUA)
20/12/2000 - México 0 x 2 Argentina - (Los Angeles, EUA)
04/02/2003 - México 0 x 1 Argentina - (Los Angeles, EUA)
10/07/2004 - México 1 x 0 Argentina - Elias Aguirre (Chiclayo, Peru)
09/03/2005 - Argentina 1 x 1 México - Memorial Coliseum (Los Angeles, EUA)
26/06/2005 - Argentina 1 x 1 México [PK 6x5] - Niedersachsenstadion (Hanover, Alemanha)
24/06/2006 - Argentina 2 x 1 México - Zentralstadion (Leipzig, Alemanha)
11/07/2007 - Argentina 3 x 0 México - Cachamay (Puerto Ordaz, Venezuela)
04/06/2008 - México 1 x 4 Argentina - Qualcomm Stadium (San Diego, EUA)
* partida suspensa por invasão do público, aos 40 minutos do segundo tempo.

PC

História - Alemanha x Inglaterra



Em 2010, Alemanha e Inglaterra fizeram um duelo de gigantes no Free State Stadium, em Bloemfontein, na África do Sul, pelas oitavas-de-final da Copa do Mundo de 2010.

Trata-se de uma das maiores rivalidades europeias no futebol (provavelmente a maior). Em 1966, as equipes protagonizaram a decisão de Mundial mais polêmica de todos os tempos, no lendário Estádio de Wembley. 44 anos depois, os ingleses ainda afirmam que aquela bola entrou, enquanto os alemães juram que a pelota não ultrapassou a linha. A discussão é eterna. A Inglaterra venceu a decisão por 4 a 2, na prorrogação, após empate em 2 a 2 no tempo normal.

Depois da lendária final de 1966, Inglaterra e Alemanha (Ocidental) ainda se encararam mais três vezes em Mundiais. Em 1970, no México, vitória alemã por 3 a 2, na prorrogação das quartas-de-final. Em 1982, na Espanha, empate sem gols na segunda fase. Em 1990, semifinal na Itália, empate em 1 a 1 no tempo normal, sem gols na prorrogação, e vitória alemã na disputa de pênaltis (4 a 3).

Em 1996 e 2000, houve dois confrontos pela Eurocopa. Nas semifinais de 1996, triunfo alemão, em pleno Wembley, por 6 a 5 nos pênaltis, após 1 a 1 nos 120 minutos. Em 2000, na Bélgica, vitória inglesa por 1 a 0 na primeira fase.

Ao todo, aconteceram 29 partidas entre Alemanha e Inglaterra (considerando o tempo de Alemanha Ocidental). Foram 12 vitórias inglesas, 5 empates e 12 vitórias alemãs, com 48 gols britânicos e 39 gols germânicos.

Confiram abaixo a lista completa de jogos do confronto:
10/05/1930 - Alemanha 3 x 3 Inglaterra - Grunewald (Berlim, Alemanha)
04/12/1935 - Inglaterra 3 x 0 Alemanha - White Hart Lane (Tottenham, Inglaterra)
14/05/1938 - Alemanha 3 x 6 Inglaterra - Olympiastadion (Berlim, Alemanha)
01/12/1954 - Inglaterra 3 x 1 Alemanha Oc. - Wembley (Londres, Inglaterra)
26/05/1956 - Alemanha Oc. 1 x 3 Inglaterra - Olympiastadion (Berlim, Alemanha Oc.)
12/05/1965 - Alemanha Oc. 0 x 1 Inglaterra - Städtisches Stadion (Nürnberg, Alemanha Oc.)
23/02/1966 - Inglaterra 1 x 0 Alemanha Oc. - Wembley (Londres, Inglaterra)
30/07/1966 - Inglaterra 4 x 2 Alemanha Oc. - Wembley (Londres, Inglaterra)
01/06/1968 - Alemanha Oc. 1 x 0 Inglaterra - Niedersachsenstadion (Hanover, Alemanha Oc.)
14/06/1970 - Alemanha Oc. 3 x 2 Inglaterra - Guanajuato (León, México)
29/04/1972 - Inglaterra 1 x 3 Alemanha Oc. - Wembley (Londres, Inglaterra)
13/05/1972 - Alemanha Oc. 0 x 0 Inglaterra - Olympiastadion (Berlim, Alemanha Oc.)
12/03/1975 - Inglaterra 2 x 0 Alemanha Oc. - Wembley (Londres, Inglaterra)
22/02/1978 - Alemanha Oc. 2 x 1 Inglaterra - Olympiastadion (München, Alemanha Oc.)
29/06/1982 - Inglaterra 0 x 0 Alemanha Oc. - Santiago Bernabéu (Madrid, Espanha)
13/10/1982 - Inglaterra 1 x 2 Alemanha Oc. - Wembley (Londres, Inglaterra)
12/06/1985 - Inglaterra 3 x 0 Alemanha Oc. - Azteca (Cidade do México)
09/09/1987 - Alemanha Oc. 3 x 1 Inglaterra - Rheinstadion (Düsseldorf, Alemanha Oc.)
04/07/1990 - Alemanha Oc. 1 x 1 Inglaterra [PK 4x3] - Stadio Delle Alpi (Torino, Itália)
11/09/1991 - Inglaterra 0 x 1 Alemanha - Wembley (Londres, Inglaterra)
19/06/1993 - Alemanha 2 x 1 Inglaterra - Pontiac Silverdome (Michigan, EUA)
26/06/1996 - Inglaterra 1 x 1 Alemanha [PK 5x6] - Wembley (Londres, Inglaterra)
17/06/2000 - Inglaterra 1 x 0 Alemanha - Stade Communal (Charleroi, Bélgica)
07/10/2000 - Inglaterra 0 x 1 Alemanha - Wembley (Londres, Inglaterra)
01/09/2001 - Alemanha 1 x 5 Inglaterra - Olympiastadion (München, Alemanha)
22/08/2007 - Inglaterra 1 x 2 Alemanha - Wembley (Londres, Inglaterra)
19/11/2008 - Alemanha 1 x 2 Inglaterra - Olympiastadion (Berlim, Alemanha)
27/06/2010 - Alemanha 4 x 1 Inglaterra - Free State Stadium (Bloemfontein, África do Sul)
19/11/2013 - Inglaterra 0 x 1 Alemanha - Wembley (Londres, Inglaterra)
26/03/2016 - Alemanha x Inglaterra - Olympiastadion (Berlim, Alemanha)

Para efeito de informação: ocorreram ainda 4 jogos entre Inglaterra e Alemanha Oriental (seleção mais fraca que a Ocidental, geralmente não considerada nas estatísticas da atual Alemanha):
02/06/1963 - Alemanha Or. 1 x 2 Inglaterra - Zentralstadion (Leipzig, Alemanha Or.)
25/11/1970 - Inglaterra 3 x 1 Alemanha Or. - Wembley (Londres, Inglaterra)
29/05/1974 - Alemanha Or. 1 x 1 Inglaterra - Zentralstadion (Leipzig, Alemanha Or.)
12/09/1984 - Inglaterra 1 x 0 Alemanha Or. - Wembley (Londres, Inglaterra)

PCFilho

[fontes: England Football Online I II III FIFA IV]

História - Estados Unidos x Gana


Amigos, Estados Unidos e Gana se enfrentarão pelas oitavas-de-final da Copa do Mundo de 2010, logo mais, no Estádio Royal Bafokeng, em Rustenburg.

As seleções se enfrentaram uma única vez até hoje. O jogo foi válido pela fase de grupos da Copa do Mundo de 2006, na Alemanha:
22/06/2006 - Gana 2 x 1 Estados Unidos - Frankenstadion (Nürnberg, Alemanha)

Os gols da vitória ganesa em 2006 foram assinalados por Draman e Appiah. Dempsey marcou para os norte-americanos. Os Estados Unidos foram eliminados ainda na primeira fase daquele Mundial. Gana seguiu até as oitavas, quando perdeu para o Brasil por 3 a 0.

PC

História - Uruguai x Coréia do Sul


Amigos, logo mais uruguaios e sul-coreanos disputarão uma vaga nas quartas-de-final da Copa do Mundo, no Estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth.

Até hoje, Uruguai e Coréia do Sul se enfrentaram uma única vez. O jogo foi válido pela Copa do Mundo de 1990, na Itália:

Na ocasião, o gol da vitória uruguaia foi assinalado no último minuto da partida, por Daniel Fonseca, de cabeça, completando cruzamento vindo da direita.

PC

sexta-feira, 25 de junho de 2010

A barriga e o êxito


Amigos, hoje a torcida tricolor comemora os 15 anos daquela que foi a mais fantástica partida de futebol jamais disputada.

Em 25 de junho de 1995, Fluminense e Flamengo decidiam o Campeonato Estadual do Rio de Janeiro. Mas não era apenas uma taça que estava em jogo, era todo o centenário rubro-negro.

O empate é do Flamengo. O Fluminense abre 2 a 0, mas no segundo tempo o Flamengo empata. O Maracanã estava cheio com uma multidão épica: 120 mil pessoas morriam nas arquibancadas, gerais e cadeiras.

O Flamengo tem dez guerreiros em campo. O Fluminense tem nove.

Aos 42 minutos do segundo tempo, Ronald recebe na meia-direita, e toca na ponta-direita para Ailton. O drible pra cá, o drible pra lá, o chute cruzado... e o santo desvio na barriga de Renato. Era a vitória, era o título, era a glória.

"Há uma relação sutil, mas indiscutível, entre a barriga e o êxito."
- Nelson Rodrigues, antes, muito antes de 1995...

0 x 0 em Durban

Foto: Reuters.

Amigos, em futebol qualquer resultado é bom, menos o empate. O empate deprime jogadores, juiz, bandeirinhas e torcedores. O sentimento universal de frustração é trágico. Pior ainda é o empate sem gols: o 0 x 0 nos deixa com a sensação de que a partida nem mesmo aconteceu. Convenhamos: um jogo sem gols não existe, não chegou a existir. O dinheiro dos ingressos deveria ser devolvido. Embora Brasil e Portugal estejam classificados, considero que ambas as equipes saíram derrotadas do Estádio Moses Mabhida.

Houve o fracasso, e resta a pergunta: como explicá-lo? O frio de Durban não era tão intenso quanto o dos dois primeiros jogos, em Johannesburg. E mesmo que fosse, não justificaria o rendimento pífio do escrete brasileiro. Objetar que os portugueses jogaram bem não vale, pois o 0 x 0 compromete também os adversários.

A meu ver, parte da culpa pode ser atribuída às ausências de Kaká, Robinho e Elano. Sem os dois primeiros, o poder de criação da Seleção diminui enormemente. Júlio Baptista, o substituto de Kaká, não esteve bem, porque não conseguiu armar as jogadas de ataque. Nilmar, o substituto de Robinho, mostrou bastante ímpeto, mas também não conseguiu ser efetivo como o titular. Daniel Alves, que entrou no lugar de Elano, foi melhor que Júlio Baptista e Nilmar, sendo o motor brasileiro no meio-campo. Daniel Alves tentava criar tabelas, chutar de fora, lançar para a área. Está mais do que provado que é ele o décimo-segundo titular de Dunga.

O décimo-terceiro titular é Ramires, o menino franzino de Barra do Piraí. Ele só jogou 15 minutos, substituindo Júlio Baptista. Foi o suficiente para melhorar bastante a mobilidade do setor ofensivo. Quase foi premiado com um gol, mas a Jabulani hoje definitivamente não queria entrar.

Portugal também sofreu com os desfalques, especialmente o do experiente Deco, lesionado. Cristiano Ronaldo sozinho não conseguiu se criar sobre a defesa brasileira, que esteve em bom dia (especialmente o capitão Lúcio).

Daqui a pouco conheceremos o adversário de segunda-feira. Pode ser Suíça, Chile, Espanha, ou até mesmo Honduras. Quem quer levantar a Copa não pode escolher adversário. Venha quem vier, aposto minhas fichas no escrete canarinho.

PC

Atuações:
ÓTIMAS: -.
BOAS: Júlio César, Lúcio, Daniel Alves e Ramires.
RAZOÁVEIS: Maicon, Juan, Michel Bastos, Josué, Nilmar, Luís Fabiano, Grafite.
RUINS: Gilberto Silva, Júlio Baptista.
PÉSSIMAS: Felipe Melo.

História - Chile x Espanha


Amigos, Chile e Espanha se encaram logo mais pela última rodada da primeira fase, no Estádio Loftus Versfeld, em Pretória.

Chilenos e espanhóis já se enfrentaram em 7 jogos ao longo da história. Foram 6 vitórias européias e 1 empate, com 18 gols espanhóis e 3 tentos chilenos. Confira a lista completa de jogos:
29/06/1950 - Espanha 2 x 0 Chile - Maracanã (Rio de Janeiro, Brasil)
12/07/1953 - Chile 1 x 2 Espanha - (Santiago, Chile)
14/07/1960 - Chile 0 x 4 Espanha - (Santiago, Chile)
17/07/1960 - Chile 1 x 4 Espanha - (Santiago, Chile)
05/07/1981 - Chile 1 x 1 Espanha - (Santiago, Chile)
08/09/1993 - Espanha 2 x 0 Chile - (Alicante, Espanha)
19/11/2008 - Espanha 3 x 0 Chile - (Villarreal, Espanha)

O jogo de 1950 foi válido pela Copa do Mundo do Brasil. Disputada num Maracanã praticamente vazio (público de 16.000), a partida foi tranquila para a Fúria. Os gols da vitória espanhola saíram ainda no primeiro tempo: Basora aos 17, e Zarra aos 30.

PC

PS: o outro confronto deste grupo (Honduras x Suíça) não possui histórico de partidas disputadas.

Da classificação americana e da eliminação italiana


Amigos, a primeira fase do Mundial da África do Sul vai terminando, recheada de jogos emocionantes e de surpresas arrebatadoras.

Falando em jogos emocionantes, o que dizer da classificação americana? Amigos, depois do roteiro hollywoodiano, me arrisco a escrever que os Estados Unidos finalmente se apaixonarão pelo futebol. Uma vitória arrancada no suor e nas lágrimas, aos quarenta e cinco minutos do segundo tempo, é tudo que um povo precisa para se apaixonar pelo esporte bretão. Os eslovenos perderam para a Inglaterra, e comemoravam a classificação, que vinha graças ao empate entre Estados Unidos e Argélia. Eles não contavam com Donovan, o mais novo herói a honrar aquela bandeira estrelada. Em uma jogada espetacular, o craque norte-americano demonstrou ímpeto inexcedível. Após noventa minutos de extenuante batalha, ninguém mais tem pernas. Os músculos não mais respondem aos comandos do cérebro. Mas Donovan reuniu suas últimas forças para um esforço final, e obteve o resultado épico. Era o gol, o santo gol que classificava os Estados Unidos e eliminava a atônita Eslovênia.

Alguns ainda dizem que os Estados Unidos são surpresa. Não mais, amigos, não mais. Desde 94, os norte-americanos evoluem a passos largos no futebol. Os resultados começam a aparecer: ano passado, a equipe foi a única a derrotar a toda-poderosa Espanha, campeã européia. E quase derrotaram a própria Seleção Brasileira - chegaram a abrir 2 a 0, mas permitiram a virada. Podem ainda não estar no nível de um Brasil, de uma Alemanha. Afinal, chegar ao topo demanda um lento trabalho de gerações. Mas os norte-americanos evoluem, é fato. Finalmente resolveram aprender a jogar o futebol do resto do mundo. Ainda darão trabalho em 2010.

Surpresa mesmo foi, sem dúvida, a eliminação precoce da Itália, campeã de 2006. Não tanto pela qualidade do plantel, bem inferior ao de outras Itálias do passado, mas pelo grupo fácil em que caiu. Convenhamos, enfrentar Paraguai, Nova Zelândia e Eslováquia não deveria ser tarefa complicada. Mas foi. Com dois empates e uma derrota, a Azzurra se despediu dos gramados sul-africanos, melancolicamente.

Falei mal da qualidade do plantel italiano, e agora me explico. Marcelo Lippi, o treinador da Azzurra, optou por uma velha receita: levar o time campeão de quatro anos antes. A princípio, parece uma boa idéia. Afinal, se eles já foram campeões do mundo, poderão levantar a Copa novamente. Porém, não é assim que a banda toca. O envelhecimento de quatro anos significa muito no futebol. As seleções campeãs vêm tentando repetir essa receita de manter o elenco para quatro anos depois, sistematicamente, Copa após Copa. Os resultados quase sempre são desastrosos.

Temos como exemplo recente a França de 2002, que saiu sem marcar um gol, após a vitoriosa campanha de 1998. O time estava quatro anos mais velho, corria menos, e a lesão de Zidane acabou de vez com qualquer esperança de bicampeonato. Temos diversos outros exemplos, até mesmo aqui no Brasil, caso de 1966, quando levamos para a Inglaterra alguns ex-craques em atividade só porque eram campeões do mundo.

De fato, uma única seleção "repetida" conseguiu sagrar-se bicampeã em toda a história: o Brasil, que reeditou em 1962 a conquista de 1958. E há algumas explicações para o sucesso daquele time. Os campeões na Suécia eram muito jovens, Pelé tinha 17 anos, Vavá 23, Garrincha 24, Zagallo 26. Didi com 29 era praticamente um tio da garotada. Enfim, o elenco era cheio de revelações que ainda possuíam bons anos de futebol pela frente. Além disso, era claramente uma equipe de exceção - provavelmente o melhor time de futebol que jamais se formou.

A Itália está eliminada porque levou um time velho, sem renovação. Será que isso tem a ver com um certo elenco internazionale?

PC