quarta-feira, 4 de abril de 2018

Efemérides tricolores - 4 de abril



1971: em jogo válido pelo Campeonato Carioca, diante de uma multidão de 112.415 pagantes no Maracanã, o Fluminense empatou em 0 a 0 com o Flamengo. Com três vitórias e três empates na competição, o Tricolor seguia invicto, no início da campanha que culminaria na conquista de mais um título do Rio de Janeiro.

1981: em partida válida pelo Campeonato Brasileiro, disputada no Estádio do Maracanã, o Fluminense ganhou por 4 a 1 do Paysandu, de virada. Os gols da vitória tricolor foram de Zezé (dois, ambos de pênalti), Gilberto e Édson.

1982: no jogo de ida das quartas-de-final do Campeonato Brasileiro, diante de 49.494 pagantes no Estádio Olímpico de Porto Alegre, o Fluminense empatou em 1 a 1 com o Grêmio. Os anfitriões abriram o placar com Baltazar, e os tricolores igualaram com Amauri. A partida de volta ocorreria três dias depois, no Maracanã (vide 7 de abril).

1993: em partida da penúltima rodada do primeiro turno do Campeonato Carioca (Taça Guanabara), disputada no Maracanã, o Fluminense ganhou por 3 a 0 do Botafogo, gols de Ézio, Julinho (de falta) e Wagner. Com sete vitórias e três empates, o Fluminense liderava o turno, e garantiria a conquista invicta da Taça Guanabara na rodada final, ao vencer o Volta Redonda em Laranjeiras (vide 10 de abril).

1999: diante de 106.111 presentes (88.242 pagantes) no Maracanã, Fluminense e Flamengo empataram em 1 a 1, em clássico válido pelo Campeonato Carioca. O gol tricolor no jogo foi de Alexandre Lopes, de cabeça.

2004: na decisão da Taça Rio (segundo turno do Campeonato Carioca), diante de 48.355 presentes (55.223 pagantes)* no Maracanã, o Fluminense perdeu por 2 a 1 para o Vasco, terminando como vice-campeão do turno e terceiro lugar do Campeonato. Romário marcou o gol tricolor, cobrando pênalti.
* o número de pagantes foi maior que o de presentes, devido à contabilidade de uma promoção de ingressos.

2007: no jogo de volta da segunda fase da Copa do Brasil, diante de 37.162 presentes (32.681 pagantes) no Maracanã, o Fluminense obteve a classificação, apesar da derrota por 1 a 0 para o América de Natal. No jogo de ida, em Natal, o Fluminense vencera por 2 a 1 (vide 14 de março), e assim a vaga foi obtida no critério dos gols fora de casa. O Tricolor terminaria campeão daquela competição, após final com o Figueirense (vide 6 de junho).

2010: em partida válida pelo Campeonato Carioca, disputada no Estádio do Maracanã, o Fluminense ganhou por 3 a 1 do Macaé. Os gols tricolores foram de Alan (dois) e Éverton.

****

Aniversariantes do dia:

João Ferreira, o Bigode (1922), médio-esquerdo mineiro, natural de Belo Horizonte. Durante sua primeira passagem pelo Fluminense, entre 1943 e 1949, conquistou o Campeonato Carioca de 1946 e o Torneio Municipal de 1948 com a camisa tricolor, e o Sul-Americano de 1949 pela Seleção Brasileira. Em 1950, como atleta do Flamengo, foi titular da Seleção Carioca campeã brasileira, e da Seleção Brasileira vice-campeã mundial. Em 1952, retornou ao Fluminense, e fez parte do time campeão Mundial de clubes, na Copa Rio. Permaneceu no Tricolor até 1955, quando se aposentou. Totalizou 394 atuações pelo Fluminense, sendo um dos 12 futebolistas que mais vezes defenderam o clube na história.
Bigode, campeão mundial pelo Fluminense.

Délio Grado de Souza Nunes, o Délio (1926), goleiro que atuou uma vez pelo time principal do Fluminense, na vitória por 4 a 0 sobre o Atlético Paranaense, em Curitiba, no dia 26 de janeiro de 1947.

Gutemberg de Siqueira, o Gutemberg (1937), centroavante que integrou o plantel do Fluminense entre as temporadas de 1957 e 1960.

Luiz Carlos Vitali, o Gibirinha (1946), ponta-direita capixaba, natural de Colatina, que atuou no Fluminense entre 1965 e 1966. Foi campeão do Torneio Pará-Guanabara em 1966.

Américo da Silva Leite, o Américo (1946), atacante que integrou o elenco do Fluminense entre 1966 e 1967. Disputou três jogos no time principal tricolor.

Kléber Ribeiro Filho, o Kléber "Bequinha" (1954), meio-campista natural de São Gonçalo, revelado pelo Fluminense, campeão da Copa São Paulo de Juniores de 1973. Jogou no time profissional tricolor de 1973 a 1980, totalizando 38 gols em 314 jogos, e conquistando os Campeonatos Cariocas de 1973, 1975, 1976 e 1980, a Taça Guanabara de 1975, a Copa Vale do Paraíba de 1977, o Torneio de Paris de 1976, o Torneio de Viña del Mar de 1976 e o Troféu Teresa Herrera de 1977. Era irmão do lateral-esquerdo Carlinhos, também revelado pelo Fluminense.
Kléber.

Wallace Alves Braga, o Wallace (1961), lateral-direito capixaba, que atuou no Fluminense entre 1980 e 1982. Marcou 1 gol em 18 jogos com a camisa tricolor. Participou da conquista do Campeonato Carioca de 1980.

Cláudio Ibraim Vaz Leal, o Branco (1964), lateral-esquerdo gaúcho, natural de Bagé, apontado por muitos como o melhor da história do Fluminense na posição. Com a camisa tricolor, conquistou os Campeonatos Cariocas de 1983, 1984 e 1985, o Campeonato Brasileiro de 1984 e o Torneio de Seul de 1984. Totalizou 12 gols em 157 jogos pelo Fluminense, entre 1983 e 1986, em 1994 e em 1998. Pela Seleção Brasileira, marcou 9 gols em 72 jogos, tendo disputado três Copas do Mundo (1986, 1990 e 1994) e conquistado a Copa América de 1989 e a Copa do Mundo de 1994. Em 2006, Branco voltou ao Fluminense para trabalhar como coordenador técnico, função em que permaneceu até 2009, tendo participado da conquista da Copa do Brasil de 2007 e dos vice-campeonatos da Copa Libertadores de 2008 e da Copa Sul-Americana de 2009.
Branco.

Tiago Silva dos Santos, o Tiago Silva (1979), lateral-esquerdo gaúcho, que jogou no Fluminense na temporada de 2001. Marcou 2 gols em 20 jogos com a camisa tricolor.

PCFilho

Um comentário:

  1. Branco era um lateral porreta. O gol contra a Holanda foi o mais importante de Copa de 1994. Sem Branco, não haveria tetra.

    ResponderExcluir

Regras para postar comentários:

I. Os comentários devem se ater ao assunto do post, preferencialmente. Pense duas vezes antes de publicar um comentário fora do contexto.

II. Os comentários devem ser relevantes, isto é, devem acrescentar informação útil ao post ou ao debate em questão.

III. Os comentários devem ser sempre respeitosos. É terminantemente proibido debochar, ofender, insultar e/ou caluniar quaisquer pessoas e instituições.

IV. Os nomes dos clubes devem ser escritos sempre da maneira correta. Não serão tolerados apelidos pejorativos para as instituições, sejam quais forem.

V. Não é permitido pedir ou publicar números de telefone/Whatsapp, e-mails, redes sociais, etc.

VI. Respeitem a nossa bela Língua Portuguesa, e evitem escrever em CAIXA ALTA.

Os comentários que não respeitem as regras acima poderão ser excluídos ou não, a critério dos moderadores do blog.